O ex-deputado federal Lino Rossi (PP-MT) foi preso na tarde de segunda-feira (13/8), no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, e levado por agentes à Superintendência da PF (Polícia Federal).

Rossi já havia sido indiciado pela PF por corrupção passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro por seu envolvimento com a chamada Máfia dos Sanguessugas. No entanto, não compareceu nas audiências referentes ao processo, motivo pela qual foi decretada sua prisão preventiva.

Segundo informações da Agência Brasil, ele passou por exame de corpo e delito no IML (Instituto Médico legal) no final da tarde do mesmo dia.

O ex-deputado foi apontado pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Sanguessugas como o parlamentar que deu início ao esquema no Congresso Nacional.

Rossi teria sido o responsável por trazer outros parlamentares da base evangélica para a operação, notadamente, Carlos Rodrigues (sem partido-RJ). “Na origem do caso, há dois deputados da base evangélica. É natural que eles chamassem para o esquema aqueles colegas com quem tinham mais contato”, disse Walter Pinheiro (PT-BA), da Igreja Batista.

Segundo a CPI, Rossi foi quem mais teria lucrado com a fraude —R$ 3,1 milhões. Depois dele, o evangélico que levou a maior propina foi o segundo-secretário da Câmara e ligado à Assembléia de Deus, Nilton Capixaba (PTB-RO), que teria recebido ao menos R$ 646 mil.

Fonte: Última Instância