O evangelista Pabitra Mohan Kata, conhecido como Nakul Kata, da vila de Adigara, distrito de Kandhamal, foi um radical hindu da RSS entre os anos de 1984 a 1995. Agora o grupo o acusa de ter mudado de religião em troca de dinheiro. Mas ele não se assusta.

No último dia 6 de maio, por volta das 18 horas, cerca de 60 radicais hindus o espancaram enquanto voltava da casa do amigo Shri Niladri Kanhar. Pabitra recebeu chutes, pontapés e foi agredido com bastões. Em seguida foi acusado de conversão forçada.

Ele gritava de dor e orava para que o Senhor perdoasse seus agressores. Apesar do sangramento profundo no maxilar, nos ouvidos e já incapaz de enxergar, os agressores não pararam de bater. Ele só foi salvo quando a polícia chegou, depois de receber um telefonema de Niladri Kanhar.

A intenção dos agressores, descoberta depois, era matá-lo e noticiar que sua morte ocorreu, por acidente, na estrada. Mas Deus o salvou e antes que o plano fosse concluído a polícia chegou.

Apesar disso, em vez de ser levado para o hospital, os policiais o deixaram sentado no posto policial e se recusaram a registrar queixa contra os seguidores do líder espiritual hindu Laxmanananda.

Na própria polícia ele foi ameaçado de prisão, sob a acusação de conversão forçada. Seu amigo, Niladri, informou os cristãos locais sobre o incidente. Alguns deles estiveram no posto policial, mas foram recebidos aos berros e tiveram que sair.

Os amigos cristãos de Pabitra o levaram ao hospital, mas estão desanimados, porque até hoje ele não recebeu alta, devido aos ferimentos profundos. Ele ainda sente dor na coluna, na cintura e nas coxas. Segundo os médicos, as dores são musculares, pois não houve fratura nos ossos, e Pabitra já está fora de perigo.

Ameaças de morte

Os agressores não conseguiram matá-lo, mas planejam a morte dele e de sua família para o mais breve possível. Pabitra é casado e foi abençoado com três filhos. A polícia já foi alertada para dar proteção à família.

Os agressores também isolaram o evangelista e seu amigo Niladri Kanhar da vila. Niladri recebeu ordens para plantar uma árvore Tulsi – considerada sagrada para os hindus – em frente à sua casa, a vestir-se com linho sagrado, a raspar a cabeça, a hastear uma bandeira amarela no topo da casa e a recitar mantras para os filhos. Se não deixar o cristianismo e voltar para o hinduísmo do líder espiritual Laxmnananda Saraswoti, ele e sua família serão mortos, ameaçam os radicais hindus.

Fonte: Portas Abertas