As forças de segurança de Mianmar interditaram ruas e cercaram os cinco principais mosteiros da maior cidade do país, a ex-capital Yangun, em uma tentativa de impedir novos protestos contra o regime militar birmanês.

Centenas de manifestantes desafiaram os alertas oficiais e se reuniram no centro da cidade, mas foram dispersados por soldados.

Caminhões com megafones rodam a cidade alertando a população a não proteger ninguém que esteja fugindo das forças de segurança.

Relatos de birmaneses informam que o acesso à internet foi cortado em Yangun e está funcionando apenas parcialmente em outras regiões.

Opositores do governo vinham utilizando a internet para enviar imagens dos protestos e dos atos de repressão das forças de segurança para a imprensa internacional, que, em seguida, retransmitia os vídeos e as fotos para Mianmar pela internet e por canais de televisão via satélite.

Condenação internacional

De acordo com a imprensa local, nove pessoas morreram nesta quinta-feira, quando as forças de segurança do país utilizaram gás lacrimogêneo e dispararam tiros para dispersar os manifestantes.

Outras 11 pessoas que participavam das manifestações e 31 soldados ficaram feridas, segundo a imprensa estatal.

Porém, o embaixador australiano em Mianmar, Bob Davis, disse a uma estação de rádio de seu país que o número de mortos provavelmente “dezenas de vezes maior do que o anunciado pelas autoridades”.

Ele afirmou que testemunhas disseram à embaixada que viram “um número de mortos bem maior que o oficial sendo retirados do local das manifestações” em Yangun nesta quinta-feira.

Uma das pessoas mortas nesta quinta-feira foi o jornalista japonês, Kenji Nagai, da agência de notícias APF News. O governo do Japão disse que encaminhará um protesto oficial ao governo de Mianmar.

O presidente americano, George W. Bush, vem liderando a condenação internacional a Mianmar pela repressão dos protestos.

“Eu sinto admiração e compaixão pelos monges e pelos protestos pacíficos que pedem democracia”, disse Bush nesta quinta-feira.

“Toda nação civilizada tem a responsabilidade de defender as pessoas que estão sofrendo sob um regime militar como o que tem dirigido Mianmar por tanto tempo.”

Os Estados Unidos impuseram sanções a líderes militares birmaneses e pediram à China, um dos principais parceiros de Mianmar, a exercer mais pressão sobre o país.

Pequim se recusou a condenar a junta militar que governa Mianmar, mas pediu “calma” a todas as partes.

Os confrontos têm despertado temores de uma repetição da violência de 1988, quando tropas abriram fogo contra manifestantes durante protestos pró-democracia, causando a morte de cerca de 3 mil pessoas.

Os recentes protestos, que já duram dez dias, começaram depois que o governo decidiu dobrar o preço do combustível no mês passado, afetando duramente a população empobrecida do país.

A onda de manifestações vem sendo liderada por monges budistas, mas após a invasão de mosteiros durante a madrugada de quinta-feira por forças de segurança, que prenderam cerca de 200 pessoas, menos monges têm sido vistos nas ruas.

Fonte: BBC Brasil