Bíblia gay
Bíblia gay

Uma das faculdades mais competitivas e da elite nos EUA, estará oferecendo um curso chamado “Queering the Bible” (Leitura queer da Bíblia), de acordo com seu catálogo de cursos, para o próximo semestre de outono.

Literalmente, o termo ‘queer’ traduzido para o português significa “estranho”, mas este termo vem sendo usado para referir-se a homossexual ou simpatizantes.

O Swarthmore College, em Swarthmore, Pensilvânia, que constantemente recebe os melhores rankings em muitos indicadores de excelência, oferecerá um curso de pesquisa “queer e trans com leituras de textos bíblicos” ao empregar “abordagens teóricas inclusivas e trans.”

O curso será ministrado pelo professor Gwynn Kessler, que tem um Ph.D. em Estudos Bíblicos do Seminário Teológico Judaico de Nova York.

O material divulgado diz que o objetivo é “desestabilizar pressupostos sobre o que a Bíblia e a religião dizem sobre gênero e sexualidade”. Ele propõe ainda “abordagens teóricas pós-modernas, feministas e queers” da teologia.

Não foram anunciados quantos alunos farão inicialmente o curso no Swarthmore College, que foi fundado pelos   protestantes Quakers em 1864. Entre taxas de matrícula e mensalidades, o custo é de U$ 50.822 por ano.

A denominação quaker, também conhecida por Sociedade Religiosa dos Amigos são parte um movimento do século 18, que nas origens defendia o pacifismo e a vida simples, com destaque para seus ensinamentos sobre pureza moral e a rejeição da “apostasia” da Igreja Anglicana.

O anúncio do curso de “Queering the Bible” gerou muitas críticas. Emir Caner, presidente da Universidade Truett-McConnell, uma instituição batista conservadora da Geórgia, afirmou que esse era um sinal dos tempos, que visava atrair jovens que já possuem ideias distorcidas sobre o cristianismo. “Embora não fiquei surpreso em saber que as pessoas ímpias corrompem as Escrituras, talvez haja um arco-íris no final da tempestade quando algum aluno ler João 3:16 e reconheça o amor incondicional de Deus por eles através de Jesus Cristo”, alfinetou. “Esses alunos clamam ter uma mente aberta, mas precisam da convicção do Espírito Santo para salvá-los da doutrinação teológica liberal, pois só assim poderão conhecer o Deus Verdadeiro e serem transformados”.

Robert Jeffress, pastor da Primeira Igreja Batista em Dallas, e uma das mais influentes vozes teológicas conservadoras na atualidade, disse que associar Deus com o termo “queer” é uma forma de “idolatria moderna”.

“Quando você lê a Bíblia com seriedade, descobre que Deus decretou a condenação mais severa para indivíduos e nações que praticavam a idolatria, criando um deus imaginário que se conformava com a imoralidade de sua cultura”, disparou.

Alguns teólogos desafiaram a Swarthmore a criar cursos que ofereçam uma “leitura queer” do Alcorão, mas a escola não se manifestou sobre o assunto.

Fonte: Gospel Prime e The Christian Post