Uma família de Itatinga (SP) alega que o padre Alberto Campezato, da igreja matriz de Avaré (SP), negou o batismo de uma criança e expulsou os familiares da igreja. Um fiel que assistia à missa gravou a confusão que ocorreu na Igreja Nossa Senhora das Dores, durante batizado de mais de 20 crianças. O caso aconteceu no domingo (11). O vídeo enviado à redação da TV TEM, que está repercutindo na internet, mostra a família irritada com a situação.

A equipe da TV TEM tentou contato com o pároco por telefone e pessoalmente na secretaria da igreja, mas ele não foi encontrado para falar sobre o assunto. A arquidiocese de Botucatu (SP), responsável pela igreja de Avaré, afirma que recebeu a denúncia e está averiguando a situação.

O problema começou quando famílias das crianças esperavam para a realização do batismo, mas uma delas não foi chamada para a ação. Os pais e parentes do bebê questionaram o pároco, que segundo eles, se irritou.

O vídeo mostra uma aglomeração no altar e, em seguida, parte dos fiéis aplaudindo, de forma irônica, a situação. Nas imagens da para ver familiares falando com nervosismo ao padre. No final do vídeo o pároco pede desculpas pela confusão para o resto dos fiéis que ficam na igreja e segue com a missa.

De acordo com o avô da criança, Marcos Henrique dos Santos, após jogar o microfone no chão e se negar a batizar o neto, o padre pediu desculpas e falou que batizaria o bebê. “É muito fácil fazer a palhaçada que ele fez e depois pedir perdão. Não deixamos ele batizar meu neto”, afirma Marcos.

Ainda segundo o avô, algumas mães procuraram a família já do lado de fora da igreja para procurar outra unidade para batizar o bebê. “Minha filha ficou em choque, ninguém esperava uma atitude dessa de um padre.”

Confira a transcrição da reação dos fiéis e do padre:
Testemunha: Dentro de uma igreja o padre fazer isso?
Testemunha: É a casa de Deus.
Familiar: O nome da nossa criança não estava na lista que foi chamada. Esse é um cristão que não respeita.
Familiar: Você não tem direito de expulsar as pessoas da casa de Deus.
Testemunha: Ele está expulsando?
Testemunha: É… ele está expulsando.
Padre: Então, eu peço desculpas…

[b]Família mostra recibo de pagamento[/b]

A família de Itatinga (SP) que acusou o padre Alberto Campezato de não realizar o batismo de um bebê e de expulsar os parentes da igreja Matriz de Avaré (SP), apresentou neste sábado (17) ao G1 o recibo de pagamento da taxa de inscrição da cerimônia.

[img align=left width=300]http://s2.glbimg.com/3jW_GsLp68mhd1GArHOQnyHWtqg=/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2015/10/17/recibo_igreja_tamanho_certo.jpg[/img]O comprovante mostra que Giovana de Castro Santos, mãe da criança, pagou o valor de R$ 30 no dia 10 de outubro. O batizado seria realizado no dia seguinte, 11 de outubro, na igreja Nossa Senhora das Dores, a matriz de Avaré. O G1 procurou o padre para comentar o assunto, mas ele não foi localizado.

No entanto, por e-mail, o cunhado do cônego desmente os parentes da criança e afirma que a taxa de batismo não foi paga e que eles não assistiram a missa. “O cônego aceitou em fazer o batismo mesmo sem a taxa paga, e não havendo mais crianças presentes a serem batizadas. Depois do desentendimento ainda queriam cobrar do pároco o combustível dos padrinhos que vieram de Itatinga”, diz Humberto Koler Filiu.

[b]Fonte: Mais PB e G1[/b]