O corpo de um jovem de 17 anos de uma comunidade indígena maia do estado mexicano de Quintana Roo (leste) foi exumado ilegalmente por seus familiares, que querem tentar ressuscitá-lo mediante uma cerimônia religiosa em uma igreja pentecostal, informou nesta terça-feira a promotoria local.

“Foram familiares do falecido que fizeram a exumação”, explicou por telefone o vice-procurador de Justiça da região onde ocorreram os fatos, Víctor Vivas.

O incidente, que as autoridades investigam “contra as normas de sepultamento”, ocorreu na comunidade rural maia de Divorciados.

“Uma mulher, aparentemente da religião pentecostal, lhes disse que tinham que tirar o corpo da tumba e levá-lo ao tempo, onde o reviveriam e as pessoas acreditaram. Fizeram os rituais e depois devolveram o corpo à tumba”, disse Vivas.

O cadáver exumado pertence a Henry Che Silveyra, que morreu recentemente vítima de um disparo durante briga entre jovens na cidade turística de Cancún.

Vizinhos de Divorciados, comunidade pertencente ao município Othón P. Blanco, a 100 km de Chetumal (capital de Quintana Roo), informaram às autoridades que Clotilde Che, tia do adolescente, recebeu a “ordem divina” de levar seu corpo para o tempo para ressuscitá-lo.

Fonte: Último Segundo