No dia 16 de setembro, um oficial bielorrusso em Borisov, Belarus, proibiu que um festival de música cristã acontecesse, poucos minutos antes de começar.

As bandas cristãs, tais como Salvation – que seria a atração principal da primeira noite do evento – nunca tiveram problemas com as autoridades. Algumas delas estão entre as bandas mais populares de Belarus.

O festival gratuito de seis dias foi uma iniciativa da comunidade cristã local (católicos, ortodoxos e protestantes). “Seria nosso testemunho comum para Borisov, para mostrarmos que não estamos isolados, mas que cremos no mesmo Deus”, disse um dos organizadores, o padre Zbigniew Grygorcewicz.

Mais de 30 bandas cristãs de todo Belarus, cuja música trata basicamente de temas cristãos, concordaram em tocar de graça no festival. Havia-se planejado três shows por dia voltados para crianças, jovens e adultos. Vinte mil convites haviam sido distribuídos e foram encomendados 5 mil balões para as crianças.

Os organizadores tinham conseguido uma autorização por escrito do Estado para a realização do festival uma semana antes da data marcada para o evento. Eles seguiram a Lei de Demonstração de 2003, cujo Artigo 6 declara que as autoridades estão obrigadas a notificar aos organizadores de um evento a decisão de proibi-lo e dar seus motivos.

Entretanto, quando faltavam apenas 10 minutos para o início do show, a chefe do Comitê Executivo do Departamento Ideológico do Município de Borisov, Lyudmila Gornak, chegou à rua reservada, anunciou que o evento estava proibido de ser realizado e foi embora.

Líderes de igrejas oraram e a banda chamada Psalmyary (Salmistas) – que abriria o festival – tocou a música “Há um Deus em Belarus”. Os organizadores distribuíram exemplares do Evangelho segundo João para a platéia de aproximadamente 500 pessoas antes de darem o evento por encerrado.

Os representantes do Estado argumentaram que a permissão não estava mais válida, que haviam cometido um erro e que o evento não estava totalmente em ordem, mas não especificaram o que havia de errado. “Quando um evento desse porte é organizado, há a necessidade de receber aprovação da polícia, dos bombeiros e de órgãos ligados à segurança e à saúde, mas nós tínhamos tudo isso”, explicou Zbigniew.

Lyudmila Gornak insiste em que o festival não foi cancelado, mas adiado. E continua dizendo que o motivo foi que o pedido de permissão dos organizadores não correspondia às exigências legais e que havia erros. Ao ser questionada repetidas vezes, Lyudmila insistiu que dissera aos organizadores quais eram esses erros. Disse, também, que eles concordaram e que não houvera mais nenhuma reclamação.

O festival cristão seria o primeiro evento desta natureza em Borisov, e as igrejas insistirão para que ele aconteça, promete Zbigniew. Os organizadores estão considerando um pedido de compensação pela perda que tiveram com a proibição.

Fonte: Portas Abertas