Em torno de vinte fiéis de uma igreja cristã clandestina foram detidos neste domingo (24) em Pequim por tentar participar de uma missa ao ar livre na capital chinesa.

Importantes efetivos da polícia tinham sido mobilizados durante a manhã no bairro de Zhoguancun por conta do anúncio feito pela Igreja Shouwang, constatou a AFP.

“De 20 a 30 fiéis foram levados pela polícia perto do edifício Zhonggang”, segundo o pastor Jin Tianming.

Questionada sobre essas prisões, a polícia do distrito de Haidian, no noroeste de Pequim, recusou-se a responder.

A Igreja Shouwang se vê obrigada a celebrar suas cerimônias religiosas ao ar livre, já que desde novembro não tem acesso a seu lugar de culto habitual, depois que o proprietário interrompeu o contrato de aluguel, pressionado pelas autoridades.

A igreja comprou outros locais com fundos próprios, mas até agora os fiéis não puderam ir a essas novas instalações.

Mais de 170 fiéis dessa congregação foram detidos em 10 de abril e em torno de 50 no domingo seguinte. Alguns foram liberados, mas os responsáveis pela comunidade estão sendo submetidos a prisão domiciliar.

O governo chinês autoriza a prática religiosa apenas nas igrejas reconhecidas pelo Estado.

Os cristãos da China estão divididos entre “oficiais”, pertencentes às igrejas sob o guarda-chuva do Partido Comunista Chinês (em torno de 20 milhões, segundo Pequim) e os fiéis das “igrejas do silêncio”, clandestinas, que superam os 50 milhões.

Shouwang foi fundada em 1993 e tenta em vão desde 2006 obter permissão das autoridades, segundo o pastor Jin.

[b]Fonte: AFP[/b]