O Oscar 2017 tinha entre os 62 indicados nas diversas categorias, dois filmes que contavam histórias ligadas a cristãos: “Até o Último Homem”, dirigido por Mel Gibson; e Silêncio, dirigido por Martin Scorcese. O primeiro, indicado em seis categorias, levou duas estatuetas.

[img align=left width=300]https://noticias.gospelmais.com.br/files/2017/02/oscar-2017-200×113.jpg[/img]O filme “Até o Último Homem” foi premiado com dois Oscar, em categorias técnicas, o que mostra a grande qualidade de produção empenhada pelo diretor Mel Gibson no projeto. Os profissionais Kevin O’Connell, Andy Wright, Robert Mckenzie e Peter Grace foram responsáveis pela Melhor Mixagem de Som.

O segundo prêmio recebido por “Até o Último Homem” no Oscar 2017 foi Melhor Montagem, categoria que avalia como as cenas são colocadas no filme e sua contribuição para que a história narrada seja melhor contada.

Já o filme “Silêncio”, que tinha uma indicação a Melhor Fotografia, não foi vencedor. O multipremiado “La La Land” venceu esta categoria.

“Silêncio” conta a história real de perseguição religiosa a dois padres jesuítas portugueses, que se mudaram para o Japão no século XVII à procura de seu mentor, o padre Ferreira (Liam Neeson), feito prisioneiro pelos japoneses da era feudal.

O impacto do personagem padre Ferreira no ator Liam Neeson mudou sua forma de ver a fé: “Você estabelece um relacionamento com Cristo através dos Evangelhos, de modo que, em última instância, Cristo se torna seu irmão, alguém com quem conversa regularmente, todos os dias, ao longo do dia”, disse.

O ator revelou que precisou aprender alguns costumes da tradição jesuíta para poder assumir o papel e com isso viu o quanto o amor de Deus é algo mais íntimo do que imaginava: “Se Deus fosse um mestre severo, eu teria desistido da fé há muito tempo. Deus é amor, amor é Deus. Eu tive experiências pessoais do amor de Deus, linda e tranquilizadora, como todas as coisas que os Salmos falam”, concluiu.

[b]A confusão
[/b]
A cerimônia de entrega do Oscar 2017 foi marcada por uma confusão na entrega do principal prêmio da noite, o de Melhor Filme. Os apresentadores Warren Beatty e Faye Dunaway receberam o cartão errado, e anunciaram um filme diferente do correto como vencedor.

A equipe de produção do Oscar produz cartões duplicados para cada vencedor como forma de prevenir perdas. Depois de anunciarem o prêmio de Melhor Atriz, entregue a Emma Stone, o cartão reserva, ao invés de ser descartado, foi entregue a Beatty e Dunaway como sendo o referente a Melhor Filme.

A dupla percebeu que havia algo errado, mas anunciou o nome do filme que estava no envelope: “La La Land“. A equipe de produção percebeu o erro, mas já era tarde. Somente quando os produtores do longa-metragem já estavam fazendo os agradecimentos, é que o filme correto foi anunciado: “Moonlight“.

“Eu quero contar o que aconteceu. Abri o envelope e dizia ‘Emma Stone, La la land’. Por isso que eu dei uma olhada tão demorada a Faye e a você. Eu não estava tentando ser engraçado”, explicou o apresentador Warren Beatty, segundo informações do G1.

[b]Fonte: Gospel +[/b]