Os fiéis que frequentam o templo reclamam da ação contra a igreja, uma vez que dentro do condomínio há outras obras sem alvará de construção.

Uma igreja com dois pavimentos e cerca de 400 metros quadrados que funciona no condomínio RK, em Sobradinho, no Distrito Federal, corre o risco de ser demolida pela Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis). O condomínio é irregular, segundo a agência e os próprios moradores do local.
Na sexta-feira (26) pela manhã, o morador Lúcio Gomes, responsável pela obra, recebeu uma intimação demolitória da Agefis. Ele conta que a construção foi embargada em 1º de junho de 2012, a partir de uma denúncia, mas a medida nunca foi cumprida. Segundo a intimação, a demolição está programada para o dia 26 de maio.

Os 200 fiéis que frequentam o templo reclamam da ação incisiva da Agefis contra a igreja, uma vez que dentro do condomínio há outras obras sem alvará de construção.

“Deve ter pelo menos umas 30 obras nessa situação. Do lado mesmo da igreja tem uma. Por que só a nossa é alvo dessa ação? Vou entrar com os recursos cabíveis, mas, se precisar, vamos entrar na frente das máquinas”, fala Gomes.

Para o frequentador do espaço Denis Cardoso, a cataquese e as celebrações aos domingos são práticas para os condôminos. “É muito bom ter uma escola dominical perto de casa para levar os filhos. Ficamos muito chateados com essa ação.” Desde sexta, os fiéis começaram um abaixo-assinado e já recolheram mais de mil assinaturas contra a demolição.

A coordenadora de fiscalização de obras da Agefis, Maria Aparecida Albuquerque, afirma que a iniciativa foi tomada porque a ordem de embargo foi ignorada e a área não é passível de regularização por parte da Administração Regional de Sobradinho. Isso acontece devido ao fato de o condomínio, de 148 mil hectares, ser irregular. Criado em 1992, ele tem cerca de 10 mil moradores e 1,9 mil casas construídas.

“Além de o espaço ter característica essencialmente residencial, qualquer obra tem de ter planejamento urbanístico, independente da finalidade. Há processos e embargos contra outras construções no condomínio também. Não é nada contra a igreja por ela simplesmente ser uma igreja”, diz Maria Aparecida Albuquerque.

Para a síndica do RK, Vera Barbieri, que não frequenta o templo, não há a perseguição religiosa alegada por alguns fiéis. “Eles não incomodam ninguém. Segundo uma pesquisa interna nossa, mais de 50% dos moradores são católicos.”

Ela confirma as notificações para várias construções no residencial, porém questiona o impasse criado entre a administração e a Agefis.

“A gente vai na administração buscar alvarás de construção, como exigido pela Agefis, mas não consegue porque o condomínio está no processo de regularização e é questionado pela Terracap. Mesmo não regularizados, buscamos fazer tudo da forma correta. Queremos caminhar na legalidade. Não tem como o Estado desmontar, já está consolidado.”

Procurada pelo G1, a Terracap não se pronunciou até a publicação desta reportagem. Enquanto isso, aos moradores, cabem recursos administrativos na própria Agefis.

[b]Fonte: Em Tempo Real[/b]