Suicídio de pastor leva a discussão a formação dos pastores das igrejas evangélicas que atuam na capital alagoana.

[url=https://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=17391]A morte do pastor Cosmo Rocha dos Santos[/url], de 33 anos, encontrado morto dentro da Igreja evangélica Pentecostal Coluna de Fogo, localizada na periferia de Maceió, levanta, além da questão da tragédia pessoal – uma vez que o pastor já havia tentado o suicídio em outras três ocasiões – a formação dos pastores das igrejas evangélicas que atuam na capital alagoana.

O surgimento de novas denominações evangélicas clandestinas cresce a olhos vistos. Em cada esquina há uma placa diferente, com líderes que muitas vezes se auto-intitulam pastores, sem nenhum critério ou preparação prévia para assumir uma congregação e cuidar de seus membros.

Para uma entidade religiosa funcionar dentro dos padrões legais, no entanto, é necessária a criação de uma legislação interna, estatuto e o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Além disso, o líder deve ter formação em Teologia, ser filiado a uma convenção de sua classe e ser aceito pela maioria dos fiéis através de assembleia pública feita durante uma das reuniões.

As exigências, entretanto, são regiamente ignoradas pela maioria das igrejas abertas em todo o Estado. Não existe, segundo informações levantadas pela reportagem do Alagoas24horas, nenhuma entidade responsável pela fiscalização do funcionamento desses templos ou da atuação dos seus pastores.

A Ordem dos Pastores de Alagoas (OPEAL) presta assistência emocional e espiritual aos pastores formados e também fiscaliza os pastores que já trabalham nas igrejas. “Buscamos informações sobre o líder, onde foi ordenado, seu credenciamento e quem o consagrou”, destacou Jorge Sutareli, diretor da ordem.

Questionado sobre a quantidade de santuários em Maceió, o superintendente do Controle e Convívio Urbano, Galvaci de Assis informou que atualmente a SMCCU não possui um número exato de templos clandestinos e por isso o controle torna-se mais difícil. “Temos 30 fiscais que fiscalizam não só igrejas, mas tudo que diz respeito ao convívio urbano e, como o número cresce a cada dia, não há como precisar uma quantidade exata de congregações”, salientou Galvaci. “Não há como inibir o surgimento de novas igrejas, mas estamos fiscalizando todas que encontramos, solicitando inclusive o alvará de funcionamento”, frisou ainda o secretário.

A grande preocupação é o despreparo destes líderes “piratas”, que muitas vezes recorrem à função por motivos diversos e sequer possuem estrutura emocional para arcar com toda a responsabilidade que o cargo requer. Uma fiscalização ostensiva se faz necessária para verificar as condições legais, físicas dos locais de reunião e dos líderes de cada uma delas, dando assim a segurança necessária à sociedade.

[b]Fonte: Alagoas 24 Horas[/b]