O candidato do PRB à Prefeitura do Rio de Janeiro Marcelo Crivella confirmou a demissão de 14 funcionários do seu gabinete de senador. A medida teria sido adota para que eles fizessem campanha sem acusação de uso da máquina pública na campanha.

O candidato disse que pretende readmiti-los após as eleições. O candidato negou que Adriana Crivella, funcionária de seu gabinete, seja sua parente.

“A família Crivella é como Silva na Itália. A Adriana Crivella não é minha prima, irmã, filha, tia, sobrinha. Não tem nenhum grau de parentesco comigo. Nunca empreguei parente porque sou contra o nepotismo”

Bispo da Igreja Universal, Crivella negou uma “hegemonia” sobre os eleitores evangélicos e lamentou a baixa participação dos “irmãos” na política. “Entre 40% e 50% dos evangélicos votam Crivella. Mas muitos também acham que não devem participar do processo político, para minha amargura. Eles têm uma parcela importante na construção da nova sociedade brasileira.”

Sobre a conversa com o filho do prefeito Cesar Maia (DEM), Rodrigo Maia (DEM), o senador afirmou que qualquer pergunta sobre aliança no segundo turno deve ser feita ao DEM. “Você tem que perguntar para o DEM, e não para mim. Eu divergi durante seis anos do antigo PFL no plenário do Senado. Como candidato a prefeito do Rio tenho um programa de governo. Aqueles que quiserem aderir serão bem vindos.”

Fonte: Folha Online