O casal fundador da Igreja Renascer em Cristo, os bispos Estevam e Sônia Hernandes, pediram ao Supremo Tribunal Federal Habeas Corpus. Eles estão presos desde janeiro. Proibidos de retornar ao Brasil, o casal voltou a recorrer a um “culto via satélite” para pregar aos fiéis brasileiros.

No pedido, o casal argumenta que não há fundamentos para a prisão preventiva. Os bispos contestam o argumento de que pretendiam fugir para os Estados Unidos.

Sônia e Estevam foram detidos nos Estados Unidos, no dia 9/1, ao tentar entrar no aeroporto de Miami com U$ 56 mil em dinheiro vivo escondido na bagagem, apesar de declarar apenas U$ 10 mil às autoridades alfandegárias.

O juiz da 1ª Vara Criminal de São Paulo, Antônio Paulo Rossi, acatou denúncia feita pelo Ministério Público, que argumentou que o episódio mostrou que o casal continuava praticando o crime de evasão de divisas e lavagem de dinheiro — pelos quais respondem a processo no Brasil — e decretou a prisão preventiva. O MP baseou seu pedido na imputação de crime de evasão de divisas.

Porém, a defesa do casal argumentou que a decretação da prisão teve como fundamento o valor apreendido com o casal no seu ingresso em Miami, presumindo que seria para reserva numa eventual fuga, caso fossem condenados no Brasil. “Evasão de divisas é crime de competência da Justiça Federal. Portanto, caso a prisão seja sustentada, a ordem será nula porque o juiz é estadual e não tem competência para deliberar sobre matéria dessa natureza”, afirmou, em nota, o advogado do casal, Luiz Flávio Borges D´Urso.

O advogado do casal Hernandes sustentou, ainda, que ambos possuem estrutura econômica nos Estados Unidos, como imóvel residencial, veículo e atividade de evangelização nos templos onde pregam. Segundo ele, o montante de recursos apreendido em seu poder no aeroporto não constituiria qualquer tipo de reserva.

Conforme o advogado, também não estariam presentes razões que a lei estabelece como exceção à regra — que é a liberdade — para sustentar uma prisão preventiva do casal, uma vez que são primários, sem antecedentes, com residência fixa e atividade laboral amplamente conhecida no Brasil.

No dia 11 de janeiro, o consulado dos Estados Unidos divulgou nota afirmando que “o casal da Igreja Renascer encontra-se atualmente detido no Federal Detention Center (FDC), em Miami, por motivos relacionados com sua situação junto ao Serviço de Imigração dos EUA”. O casal estaria em celas separadas, dividindo espaço com os outros presos.

Estevam Hrnandes diz que impediu suicídio de jamaicano na prisão

Proibidos de retornar ao Brasil, o fundador da Igreja Apostólica Renascer em Cristo, Estevam Hernandes, e a mulher dele, Sônia Hernandes, voltaram a recorrer a um “culto via satélite” para pregar aos fiéis brasileiros. A poucos dias de ser julgado nos Estados Unidos pelas acusações de falso testemunho e contrabando de dinheiro, o casal comandou um culto no Ginásio do Ibirapuera, na Zona Sul de São Paulo, a partir de um templo na Flórida. Mais de 10 mil fiéis assistiram ao culto, transmitido ao vivo, em quatro telões.

O casal evitou comentar o processo a que respondem nos Estados Unidos. Em um dos poucos momentos em que tratou do assunto, Estevam contou emocionado que, durante o período em que esteve preso na Flórida, convenceu um homem a não se suicidar.

O apóstolo, como é chamado na igreja, disse que o homem era um jamaicano que teria revelado a ele o desejo de acabar com a própria vida. “Eu orei com ele, e ele confessou que o Senhor era o senhor da vida dele”, afirmou Estevam, arrancando aplausos da platéia.

O casal Hernandes foi preso no dia 9 de janeiro no aeroporto de Miami, quando tentava entrar nos Estados Unidos com US$ 56,5 mil. Inicialmente, ficaram detidos no Federal Detention Center de Miami. Depois, Estevam foi transferido para o Krome Detention Center, e Sônia, para a prisão feminina de West Palm Beach. Entre os dias 18 e 19, os Hernandes pagaram parte do valor da fiança e obtiveram a liberdade assistida.

O julgamento foi marcado pela Justiça norte-americana para o dia 19 de março, em Miami, na Flórida. Seguidores da igreja dizem que já estão orando pela absolvição do casal.
Choro e acenos via satélite
O calor era forte quando Estevam e Sônia surgiram nos telões do Ginásio do Ibirapuera por volta das 11h30 e foram saudados com gritos e aplausos. Um balé de cerca de 50 pessoas entrou em cena no Ibirapuera enquanto o casal cantava, acompanhado por músicos na Flórida. Durante as quatro horas de transmissão, o casal apareceu chorando em vários momentos em closes no telão.

Com cadernos em punho, o público anotava frases de Estevam e salmos da Bíblia. “É tempo da proporção dobrada do Senhor. As dívidas vão ser pagas de modo sobrenatural. Digam: ‘Eu vou pagar sem dinheiro’. Deus vai te dar para pagar dívidas”, pregava Estevam, ao que os fiéis repetiam com as mãos voltadas aos céus e os olhos fechados.

Após mais de uma hora de pregação, chegou o momento de os evangélicos da Renascer doarem o dízimo. Espalhados pelo ginásio, voluntários da igreja portavam máquinas para débito em cartão de banco.

As doações mais altas foram as primeiras a serem entregues aos seguidores da igreja. “Quem vai fazer oferta de R$ 500, coloque-se de pé agora”, dizia Estevam. No entanto, todos se levantaram mesmo quando o apóstolo anunciou as doações de R$ 5 e R$ 1.

Convertido há um ano e meio, Walter, um dos seguidores que acompanhava a transmissão, colocou R$ 5 no envelope da Renascer. Ex-usuário de drogas, o autônomo diz que é uma maneira de retribuir por sua recuperação.

Pouco antes do final do culto, o apóstolo pediu mais uma vez doações dos fiéis. “Temos uma grande responsabilidade. Temos de pagar o satélite de transmissão.” O seguidor Walter tirou R$ 2 da carteira e colocou no envelope, onde escreveu três pedidos.

Distribuídos pelo ginásio, cartazes saudavam os fundadores da Renascer, que agradeceram o apoio. No telão, bispa Sônia desenhava no ar o formato de um coração com as mãos. “Essa é a maior teleconferência já feita no mundo. Temos de levar ao ‘Guinness Book’. Quando o diabo pensou que isso ia acontecer?”, desafiou Estevam.

Fonte: G1 e Consultor Jurídico