[img align=left width=300]http://3.bp.blogspot.com/-BBHMtLANh-Y/WV37wGR7O9I/AAAAAAAASpY/X-ng_cwvtyUYek59XrDwFzSDS1bEp1V1gCK4BGAYYCw/s1600/g20-summit-flags-780×439-719778.png[/img]

O arcebispo de Munique e presidente da Conferência Episcopal Alemã, Cardeal Reinhard Marx, e o presidente do Conselho da Igreja Evangélica, Bispo Heinrich Bedford-Strohm, escreveram uma mensagem comum, em nome das duas principais confissões cristãs da Alemanha, em vista do G20 que se realiza esta sexta-feira e sábado (7 e 8 de julho) em Hamburgo, norte do país.

Na mensagem convidam os participantes a procurar tomar decisões importantes contra a pobreza, a injustiça, o terrorismo, a guerra e a destruição ambiental. “O G-20 deve sua importância ao serviço da vida comum agindo com honestidade pela sobrevivência da terra e para reforçar a possibilidade dos pobres de viver uma existência digna”, lê-se na mensagem.

Convite aos membros do G20 a buscar o diálogo

Para o cardeal e para o bispo o objetivo do G20 deve ser “o desenvolvimento sustentável” como decidido pelas Nações Unidas para a Agenda 2030”. Ambos os líderes religiosos criticam o crescente nacionalismo e convidam todos os membros do G20 a buscar o diálogo.

Pobreza e desigualdade extrema ameaçam estabilidade global

As Igrejas convidam a buscar a solidariedade para com os países mais pobres, mas ressaltam que “o egoísmo de Estado, o unilateralismo, o isolacionismo e o nacionalismo estão em aumento” e sem a solidariedade global os problemas como a fome, a destruição do ambiente, a fuga do terror não serão resolvidos, porque “a pobreza e a desigualdade extrema ameaçam a estabilidade global”.

O G20 deveria tornar o encontro “um sinal para uma nova política de segurança e de paz cooperativa” e resistir a qualquer ideologia violenta – exortam. Por conseguinte, o encontro de cúpula deve adotar “medidas corajosas e de vasto alcance para enfrentar esses importantes problemas do mundo”.

[b]Fonte: Rádio Vaticano[/b]