O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho afirmou, no programa apresentado por ele na rádio Manchete, que nunca utilizou arma e se considera vítima de uma perseguição política.

“Eu nunca peguei em um revólver para dar tiro na minha vida. As pessoas que me conhecem sabem que a única arma que uso é a Bíblia. Em cada quarto que eles (agentes federais) chegavam, encontravam uma Bíblia. Eles queriam encontrar uma arma. Foi a primeira coisa que perguntaram”, disse.

Ele foi denunciado pelo Ministério Público Federal por formação de quadrilha armada. As duas casas de Garotinho, em Campos dos Goytacazes e na capital fluminense, foram vasculhadas ontem pela Polícia Federal durante a Operação Segurança Pública S/A.

Garotinho disse ainda que os policiais levaram, da casa onde mora, no bairro de Laranjeiras, na zona sul do Rio, dois envelopes com fotos da família, uma conta de gás, escala de seus funcionários e a agenda do motorista, entre outros papéis não especificados.

“Eu tenho absoluta certeza de quem e o que está por trás disso para prejudicar minha imagem. Estou absolutamente tranqüilo e sereno. Não revidarei o mal com o mal”, afirmou.

Além de Garotinho, outras 15 pessoas foram denunciadas pelo MPF, acusadas de integrar uma organização criminosa que facilitaria atividades ilegais de empresários no Rio, incluindo o funcionamento de máquinas caça-níqueis.

De acordo com a PF, o líder operacional do esquema seria o deputado estadual e ex-chefe da Polícia Civil Álvaro Lins. Lins e mais oito pessoas foram presos ontem pela operação da PF.

Fonte: Terra