Um livro para crianças no qual a vida do Papa Bento XVI é contada por um gato chamado Chico, descrito como um dos melhores amigos do Pontífice, vai ser publicado nos próximos dias na Itália.

“Joseph e Chico” é o título da obra que vai ser lançada esta semana em todo o país e que, além disso, conta com a introdução do secretário pessoal do Papa, Georg Gänswein.

“Quantas coisas são escritas e ditas todos os dias sobre o Papa? Mas aqui, queridas crianças, vocês encontrarão uma biografia diferente das outras, porque quem a conta é um gato, e não é todos os dias que um gato considera o Santo Padre seu amigo e se põe a escrever sua história”, escreve o secretário do Papa.

O livro, da editora Messaggero Padova, especializada em publicações religiosas, vai começar a ser vendido na Itália na próxima semana. Escrito pela jornalista Jeanne Perego e ilustrado por Donata Dal Molin Casagrande, o volume também vai ser lançado na Feira do Livro de Frankfurt.

Na introdução da obra, Georg Gänswein comenta que Chico e Bento XVI se conhecem há muitos anos, por isso tudo o que é contado no livro é “verdade” e também, considerando-se que o ponto de vista é o de um gato, “muito interessante”.

Chico não é um gato qualquer, como ele mesmo diz, já que era um dos animais de estimação de Joseph Ratzinger quando este ainda era criança.

“Sabe quando percebi que ele é um grande amigo dos gatos? Quando ele mandou colocar uma estátua de um no jardim de sua casa na Alemanha”, conta Chico no livro.

O felino diz ainda que, agora, além de ser seu amigo, o Papa Bento XVI “é o grande amigo e guia de todos os católicos”.

O gato, de cor vermelha, conta numa linguagem divertida e coloquial, acompanhado de grandes ilustrações, a história do Pontífice desde o seu nascimento até o dia em que se tornou Papa.

Além disso, relembra fatos da infância de Ratzinger, como a ocasião em que caiu num lago enquanto brincava com seus irmãos e teria “se afogado caso não tivesse sido salvo a tempo”, ou quando aprendeu a tocar o piano, uma de suas paixões.

Fonte: EFE