O Governo britânico está gerando um clima de “desconfiança” devido a sua forma de enfrentar o terrorismo e o tratamento dispensado à comunidade islâmica que vive no Reino Unido, afirmou o secretário-geral do Conselho Muçulmano do país (MCB), Mohammed Abdul Bari.

Em entrevista publicada hoje pelo jornal “The Daily Telegraph”, Bari usa o exemplo da Alemanha nazista para indicar como a mente humana pode ser moldada de forma a agir contra toda uma comunidade.

O secretário-geral do MCB considera ainda “desproporcional” o tempo dedicado pelos políticos para falar dos muçulmanos, o que, acredita, é “prejudicial” para a sociedade em geral.

“Se sua comunidade é percebida de uma forma negativa e as pesquisas de opinião dizem continuamente que somos alienados, é quando os muçulmanos começam a se sentir vulneráveis”, disse Bari, que acrescentou que hoje em dia o grupo é visto “como criador de problemas”.

As afirmações do representante do MCB são uma resposta às declarações feitas esta semana pelo responsável do serviço de contra-espionagem britânico MI5 e especialista em terrorismo Jonathan Evans.

Segundo Evans, o número de pessoas identificadas pelos serviços de inteligência com possíveis “vínculos com atividades terroristas” havia aumentado de 1.600, em 2006, para mais de 2 mil este ano.

Evans ressaltou também que a Al Qaeda “recruta” crianças e jovens vulneráveis para transformá-los em terroristas suicidas, a fim de cometer atentados contra o Reino Unido.

Para Bari, não há “justificativa” para os terroristas suicidas.

Segundo ele, os jovens muçulmanos são “tão vulneráveis quanto os outros. Sob este clima de medo, começam a se sentir vítimas”.

O líder religioso recomendou ainda que a sociedade adote algumas medidas defendidas pelo Islã, pois “podem ajudar a conseguir uma coesão social quanto à família, ao casamento, na hora de educar os filhos, na hora de dar aos pobres e a não ser muito ambicioso”.

Fonte: EFE