O Governo do presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou hoje que contatará o núncio em La Paz, Ivo Scapolo, para “ter uma conversa” sobre o discurso do Papa Bento XVI no Brasil no qual advertiu sobre “Governos autoritários” na América Latina.

O chanceler boliviano, David Choquehuanca, disse que o Governo ordenou o contato com Scapolo e que esperará uma resposta do representante do Vaticano para marcar a data da reunião.

“(Queremos) conversar sobre as declarações do Papa. São declarações da Igreja. Nós as respeitamos, (mas) claro que preocupam e por isto vamos convocar o Núncio para conversar sobre este tema”, disse Choquehuanca em entrevista coletiva.

Na sua visita ao Brasil, há uma semana, Bento XVI fez advertências sobre o surgimento de Governos autoritários na região, embora não tenha explicitado a que países se referia.

“Na América Latina, da mesma forma que em outras regiões, houve evolução, embora haja motivos de preocupação diante das formas de Governos autoritários ou sujeitos a certas ideologias que estavam superadas e que não correspondem à visão cristã do homem”, afirmou Bento XVI.

O Governo da Venezuela disse esta semana que não há nenhuma razão para pensar que quando o Papa Bento XVI falou no Brasil de “autoritarismo” se referia à Administração do presidente Hugo Chávez.

Na Bolívia, a oposição acusou várias vezes Morales de ter um comportamento “totalitário” ao tratar de impor suas reformas.

O líder da oposição conservadora, o ex-presidente Jorge Quiroga, disse nesta semana que Morales deve seguir “os conselhos” de Bento XVI, ao invés dos de seu aliado Chávez.

Fonte: Folha Online