Um jornal católico na Malásia recebeu ordem do governo para cessar sua edição na língua malaia até que seja resolvido, no tribunal, um processo sobre a proibição do uso da palavra “Alá” no mesmo.

O padre Lawrence Andrew, editor do jornal Herald, disse que a medida é apenas uma da série de restrições colocadas pelo governo muçulmano conservador ao renovar a licença do jornal em 30 de dezembro último.

O Herald circula entre os 850 mil católicos do país e quase perdeu sua licença no ano passado por usar a palavra “Alá” como tradução da palavra “Deus”. As autoridades dizem que “Alá” só pode ser utilizada por muçulmanos.

“A Constituição diz que o malaio é o idioma nacional. Sendo assim, por que não podemos usar o idioma nacional na Malásia?”, ele disse à AFP.

Padre Lawrence diz que a censura é “inaceitável” e que pretende recorrer.

Ele também afirma que a medida não faz sentido porque a maioria dos católicos na Malásia é da etnia bumiputera, falante do malaio.

A questão será decidida no tribunal neste mês de janeiro, enquanto alguns funcionários de órgãos públicos acompanharão as atividades do Herald.

Cerca de 60% dos 27 milhões de habitantes do país são da etnia malaia, a qual domina o governo. O restante da população é composto por descendentes de chineses e indianos, praticantes do budismo, cristianismo e hinduísmo.

Fonte: Portas Abertas