Apropriar-se de bens eclesiásticos e transformá-los em parques parece estar se tornando uma linha política das autoridades vietnamitas, ou talvez uma vingança, porque os protestos dos católicos não permitiram ao governo ceder propriedades da Igreja a privados.

De fato, após o confisco da delegação apostólica e da alienação do terreno da paróquia de Thai Ha, desta vez caberá ao mosteiro de São Paulo de Vinh Long, das Irmãs da Caridade de São Vicente de Paulo, ser derrubado para a construção de um parque público.

O anúncio foi dado pelo Comitê do povo da província de Vinh Long, que comunicou durante uma coletiva de imprensa, concedida no último dia 12, a nova destinação do terreno do mosteiro.

O anúncio foi acompanhado das habituais acusações do referido comitê contra as irmãs, segundo o qual elas “exploram a liberdade religiosa para inspirar protestos contra o Estado da República socialista do Vietnã e, conseqüentemente, prejudicam a unidade do povo”.

O ataque governamental teve lugar após o início dos protestos das irmãs, que em maio passado tomaram conhecimento do projeto do governo local de transformar o seu mosteiro num hotel cinco estrelas.

O bispo de Vinh Long, Dom Thomas Nguyên Van Tan, numa carta datada em 18 de maio, endereçada a sacerdotes, religiosos e leigos, repercorria a história da controvérsia. “O dia 7 de setembro de 1977 _ escrevia o prelado _ pode ser visto como o dia do desastre para a nossa diocese”.

“Naquele dia as autoridades locais mobilizaram as suas forças de segurança para bloquear e assaltar o Colégio de Santa Cruz, o mosteiro de São Paulo e o seminário maior. Depois se apoderaram das propriedades e detiveram aqueles que ocupavam os prédios. Eu mesmo _ ressaltava o bispo na referida missiva _ fui um dos detidos.”

“Em seguida, representantes do superior provincial das Irmãs da Caridade de São Vicente de Paulo e o bispado enviaram, em vão, petições às autoridades locais e nacionais. Petições às quais jamais foram respondidas.”

“Recentemente _ prosseguia a carta _, o governo local emanou um decreto para construir um hotel num terreno de 10.235 metros quadrados de propriedade das irmãs.”

Fonte: Rádio Vaticano