O líder de um tradicional movimento católico pediu desculpas ao papa Bento 16 nesta terça-feira pela declaração feita por um de seus membros negando o Holocausto.

O bispo Bernard Fellay também disse que já puniu o membro que fez a declaração, o bispo nascido na Grã-Bretanha Richard Williamson, e o proibiu de manifestar sua opinião em qualquer assunto relacionado a política ou história.

O texto de Williamson sobre o Holocausto, divulgado por uma emissora de TV sueca recentemente, provocou uma ampla crítica pelos judeus, os quais disseram que o bispo acabou com meio século de diálogo com os católicos.

No último sábado, o papa retirou uma excomunhão de 20 anos de Fellay, Williamson e outros dois bispos membros da tradicional fraternidade.

Fonte: Reuters