Um grupo de cerca de 20 judeus ortodoxos entrou nesta terça-feira no antigo campo nazista de extermínio de Majdanek, após avançarem com o ônibus em que estavam sobre as barreiras que bloqueiam a entrada do local.

Segundo informou Anna Zmarzak, da Polícia da província de Província de Lublin, o incidente aconteceu às 20h locais (15h em Brasília), quando o museu do antigo campo nazista já estava fechado.

A direção do museu e a Polícia local não tinham informações sobre a visita de uma excursão de judeus, apesar de a embaixada de Israel em Varsóvia sempre avisar com antecedência.

O subdiretor do museu já está no local e, segundo o site do jornal “Gazeta Wyborcza”, negocia com os judeus, apesar de as causas e os objetivos da invasão serem desconhecidas.

De acordo com os observadores, a ação dos judeus ortodoxos pode estar relacionada com as declarações anti-semitas feitas pelo sacerdote Tadeusz Rydzyk, diretor da ultracatólica e nacionalista emissora “Rádio María”.

Com relação às declarações, a embaixada de Israel em Varsóvia exigiu do Governo polonês que condene tal manifestação de anti-semitismo incompatível com as doutrinas do Papa João Paulo II que defendeu a reconciliação entre judeus e cristãos.

No campo de extermínio de Majdanek, situado na Polônia oriental e que foi fundado em 1941, funcionando até 1944, foram exterminadas mais de 80 mil pessoas, das quais cerca de 60 mil eram de origem judaica, procedentes de 30 de países europeus.

Fonte: EFE