O Talibã assumiu o ataque que matou oito médicos da Missão de Assistência Internacional acusando-os de estarem carregando Bíblias e pregando o cristianismo

O grupo cristão de ajuda humanitária que atua no Afeganistão negou neste domingo acusações do Talibã de que os médicos estrangeiros a serviço da entidade, mortos na véspera, estariam fazendo pregações religiosas no país.

O time de médicos da Missão de Assistência Internacional (IAM, na sigla em inglês) era composto por seis norte-americanos, um alemão e uma britânica. Quatro profissionais afegãos também estão entre as vítimas.

No sábado, o Talibã assumiu o ataque contra os médicos e justificou o ato alegando que eles carregavam bíblias traduzidas para o Dari, uma das principais línguas afegãs.

O argumento é de que os médicos foram mortos porque estavam pregando o cristianismo.

“A acusação é completamente sem base. Eles não estavam carregando nenhuma bíblia, exceto, talvez, suas bíblias pessoais”, afirmou Dirk Frans, diretor-excutivo da IAM.

[b]Fonte: Reuters[/b]

Notícia relacionada: [url=Estrangeiros que trabalhavam para ONG são mortos no Afeganistão]http://www.folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=14462[/url]