Policial faz oração por vítima ferida na cidade de Palmares, Zona da Mata Sul de Pernambuco
Policial faz oração por vítima ferida na cidade de Palmares, Zona da Mata Sul de Pernambuco

O vigilante José Augusto da Silva, de 44 anos, foi esfaqueado em 14 de dezembro na zona rural de Palmares, na Mata Sul de Pernambuco. No momento do socorro, o policial Péricles da Silva Albuquerque, de 37 anos, fez uma oração pela vítima enquanto aguardava a ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Depois de passar alguns dias internado no Hospital Regional do município, José Augusto recebeu alta e se recupera em casa. Ele reencontrou o oficial para agradecer pelo ato de fé que salvou sua vida.

“Naquele momento ali, eu já estava morto. Quando ele começou a fazer a oração foi que eu comecei a abrir os olhos, mexer as mãos. Agradeço primeiro a Deus, segundo ao policial. Porque se não fosse ele naquele momento, eu não estaria vivo hoje. Salvou minha vida”, disse o vigilante.

O policial lembra que quando foi socorrer o vigilante, percebeu que ele estava desistindo da vida. “Eu passei de 25 a 30 minutos tentando conter essa hemorragia. Em um certo momento ele olhou para mim e fez o sinal de negativo, olhando para ele, eu senti e vi que ele estava desistindo da vida dele. Ele desistiu de viver naquele momento. Ele se entregou”, relata Péricles.

“Eu disse a ele que não, que ele ia sobreviver e que ele ia contar essa história para muita gente. Nesse momento eu fechei meus olhos e clamei ao Senhor, para que se fosse da vontade Dele, que ele permanecesse ali comigo e que aqueles ferimentos não viessem a ceifar a vida dele”, completou o PM.

Como resultado de sua ação, Péricles foi homenageado na última terça-feira (19) pelo comandante geral da Polícia Militar de Pernambuco, o coronel Vanildo Aragão. Embora o reconhecimento seja gratificante, ele observou que o mais importante é ver a vítima bem.

“Agora nasceu uma amizade muito bonita e muito boa, porque é como eu digo: qual o preço de uma vida? Qual o preço de ver o sorriso de uma pessoa morta, que hoje está viva, ao meu lado, e você chegar perto dele e saber que fez o seu trabalho?”, disse Péricles.

A irmã de José Augusto, a comerciante Maria José Cristóvão da Silva, também celebrou o ato de fé que trouxe vida ao seu irmão. “Ele salvou a vida do meu irmão. Deus usou ele naquele momento. Ele fez o que tinha que fazer”, afirmou.

Fonte: Guia-me