Homens armados explodiram nesta quarta-feira uma igreja católica em Áden, segunda maior cidade do Iêmen, onde jihadistas aumentaram sua presença, em meio à crescente insegurança, de acordo com fontes da segurança e testemunhas.

Com gritos de “Allah Akbar” (“Deus é grande”), quatro homens mascarados invadiram o bairro residencial de Moualla onde destruíram a igreja com explosivos, disseram as fontes.

O edifício foi reduzido a uma pilha de escombros, afirmaram os habitantes de Hafoun, área onde o ataque ocorreu.

A igreja, ao lado de um cemitério cristão, era um pequeno local de culto construído em 1950 durante o protetorado britânico e não era mais frequentado há, segundo os moradores.

O ataque não foi reivindicado, mas um oficial da polícia apontou para os jihadistas da Al-Qaeda ou do grupo Estado Islâmico (EI), que estariam se aproveitando da guerra civil e da ausência de Estado.

“Isso prenuncia a batalha que os (novos) governador e chefe da polícia de Aden terão de travar contra os grupos terroristas Daech (acrônimo em árabe do EI) e Al-Qaeda”, afirmou o agente à AFP.

Ele estava se referindo ao sucessor do governador de Aden Jaafar Saad, morto no domingo em um ataque com carro-bomba, reivindicado pelo EI.

Em 16 de setembro, a Igreja São José, localizada em Crater, outro bairro de Aden, foi incendiada por homens mascarados.

A prática de religiões diferentes do islã tem diminuído de forma constante desde a unificação do Iêmen em 1990.

O destino de vários milhares de cristãos foi totalmente ocultado dada as tensões entre muçulmanos sunitas e xiitas, que compõem 99% da população.

Os cristãos no Iêmen são estrangeiros, refugiados ou residentes temporários, que se mantém muito discretos pelo medo de grupos jihadistas.

Aden foi até 1967 uma cidade-Estado administrada pelos britânicos, onde havia dezenas de igrejas, templos e sinagogas.

[b]Fonte: Exame.com[/b]