Portadores da doença celíaca não podem ingerir alimentos com glúten. Igreja não permite que a comunhão seja realizada com hóstias sem trigo.

A impossibilidade de ingerir alimentos que contém glúten, denominada doença celíaca, tem deixado de ser um problema para os católicos. Uma hóstia com baixo índice da substância, produzida por freiras de um convento da Argentina, entrou no mercado brasileiro e tem ajudado portadores da patologia a comungar como os demais fiéis.

A bancária Rita Faria, que mora em Cascavel, no Paraná, ficou quatro anos sem comungar quando descobriu que é celíaca, e que a hóstia sem trigo (alimento que contém glúten) não é reconhecida pela igreja para a comunhão. Segundo o padre Nélio Zortéa, a recusa é motivada pela simbologia da hóstia. “A igreja segue essa orientação conforme Jesus fez e associou a si, dizendo que, quem comer deste pão, estará comendo da própria carne, quem beber deste cálice, estará bebendo de seu próprio sangue. Quer dizer, estabelecendo essa unidade com ele”

Inconformada, Rita questionou a igreja até que conseguiu uma autorização do Vaticano para que pudesse comungar com o vinho, que na simbologia católica é considerado o sangue de Cristo. “Para mim é muito importante a comunhão também né, participar da missa, mas principalmente participar da comunhão”, justificou.

Com a nova hóstia sendo importada e disponibilizada em livrarias católicas, os celíacos não precisam mais recorrer à instância superior da igreja. “A minha alma está alimentada hoje. Hoje estou com Cristo”, comemorou Rita.

[b]Fonte: G1[/b]