Hugo ChavezO presidente da Venezuela, Hugo Chávez, aconselhou nesta terça-feira o papa Bento VX a ser mais cauteloso com suas palavras, dizendo que achou “perturbadoras” as últimas afirmações do pontífice sobre o Islã e a guerra santa.

“Acho que o Vaticano deveria esclarecer melhor esta posição porque creio que muitas dúvidas ainda permanecem entre nossos irmãos muçulmanos de todo o mundo”, disse Chávez. “Vimos com perturbação as palavras do papa”.

“Aqueles cujas palavras têm tanto peso (não deveriam) afirmar algo que possa causar confusão e jogar mais lenha na fogueira”, disse o presidente venezuelano à televisão estatal. Chávez e representantes da Igreja Católica na Venezuela sempre tiveram uma relação difícil desde que o presidente foi eleito pela primeira vez em 1998.

O líder venezuelano expressou que gostaria de ter uma boa relação com a igreja, mas já chegou a chamar sua liderança de “tumor”. Líderes católicos, em troca, têm sido os principais críticos de Chávez, acusando-o de acumular muito poder. Mais de 90% dos venezuelanos são católicos.

Promotoria de Roma investiga supostas ameaças ao papa

A Promotoria de Roma decidiu nesta quarta-feira investigar as ameaças realizadas nos últimos dias contra o papa, a Santa Sé e a cidade de Roma em sites na internet supostamente vinculados a organizações terroristas islâmicas.

As investigações são coordenadas pelo responsável do grupo antiterrorista da Promotoria de Roma, Franco Ionta, e pretendem verificar se as ameaças podem ser consideradas crimes de instigação a cometer atentados contra um chefe de Estado [o papa Bento 16].

Após o discurso pronunciado pelo papa em 12 de setembro na universidade de Regensburg, na Alemanha, apareceram mensagens em vários sites ameaçando papa e estimulando os internautas e cometerem atentados na Cidade do Vaticano e em Roma.

Ionta ordenou às forças de segurança que realizem uma meticulosa investigação nos sites nos quais apareceram as ameaças, para chegar até os responsáveis pelas mensagens.

As ameaças terroristas levaram o governador civil de Roma, Achille Serra, a reforçar todos os serviços de segurança na capital.

“Não existe uma ameaça específica, mas estaríamos nos escondendo se não tomássemos consciência da situação. Os serviços de segurança serão reforçados e a atenção será redobrada”, afirmou Serra.

Fonte: Último Segundo e Folha Online