A Igreja alemã estudará os diários do cardeal Michael von Faulhaber, morto em 1952 e conhecido por sua admiração a Adolf Hitler, segundo o jornal espanhol “El País”.

“Nada do que possa parecer nesses arquivos pode prejudicar tanto a Igreja como a suspeita de que queremos calar ou ocultar algo”, disse o arcebispo de Munique, Reinhard Marx.

A reportagem diz ainda que o estudo levará cerca de 12 anos e relembra a figura polêmica que foi Faulhaber.

O cardeal teve participação importante na elaboração de uma encíclica do papa Pio 12, na qual o Vaticano enfrenta o regime nazista e aposta em uma reconciliação entre católicos e judeus.

Por outro lado, depois de uma tentativa de atentado contra Hitler em 1939, Faulhaber lhe enviou um telegrama dizendo que a providência divina salvou sua vida e soou os sinos da catedral de Munique convocando uma reza pela vida do ditador.

Os diários do cardeal estiveram guardados debaixo da cama de seu último secretário, que impediu o acesso aos documentos até sua morte em 2010.

[b]Fonte: Diário do Sudoeste[/b]