O pastor de uma igreja no sul da Argélia relatou em detalhes um recente ataque à sua igreja – o terceiro deste tipo – o qual, segundo ele, prova que alguns argelinos são contrários à presença de igrejas em seu país

O pastor, que deseja permanecer anônimo, disse que sua igreja foi atacada em 12 de novembro, por volta das onze horas da noite, por um grupo que tentou incendiá-la.

“Um grupo de pessoas tentou entrar na igreja. Do lado de fora, os indivíduos atearam fogo em um pneu para atirá-lo dentro do prédio. Mas como isto não funcionou (porque a cerca de arame farpado era muito alta), eles tentaram arrombar o portão para ter acesso à igreja”.

Os homens se dispersaram após a chegada da polícia, mas nenhum foi preso. Apesar disso, o pastor disse que iria registrar queixa na polícia. Ele acrescentou que o ataque é um sinal de que o grupo seja contrário à existência da igreja na cidade.

“Há pessoas que tentam nos intimidar e nos fazer sair. Acho que o crescimento da nossa comunidade os perturba”, disse ele. Em 2010, um grupo conseguiu atravessar os portões e entrar na igreja.

Em novembro de 2012, o pastor recebeu ameaças de morte seguidas do lançamento do controverso filme “Inocência dos Muçulmanos”, considerado por muitos como anti -Islã. As ameaças também detalharam planos para incendiar a igreja.

Desta vez, o ataque contra a igreja coincidiu com a celebração do festival muçulmano de Ashura. Para ajudar na proteção contra esses ataques e a identificação dos insurgentes, a IPA (Igreja Protestante da Argélia) planeja instalar câmeras de segurança ao redor da igreja.

[b]Fonte: World Watch Monitor[/b]