A Igreja católica deu o seu aval ao nu coletivo convocado pelo fotógrafo norte-americano Spencer Tunick para o próximo dia 6 de maio na Praça da Constituição (Zócalo), no coração da capital mexicana.

Rubén Ávila, decano da Catedral Metropolitana, aprovou esta “escultura efêmera” da qual surgirão uma série de fotos, sempre que não haja “atos imorais evidentes”.

“O corpo humano é algo belo e perfeito, e sua exposição neste contexto de arte não constitui uma imoralidade”, disse o também chefe da comunidade metropolitana da Arquidiocese Primada do México.

“Não podemos julgá-los imorais enquanto não haja atos imorais, posições, movimentos ou situações indecentes”, disse Ávila.

O sacerdote disse que os organizadores ainda não se comunicaram com as autoridades eclesiásticas para passar os detalhes.

O nu coletivo, onde se espera bater o recorde mundial de participação (mais de sete mil pessoas), ocorrerá das primeiras horas do dia até às 9h30 locais e coincidirá com a homilia dominical na catedral.

O fotógrafo realizou espetáculos semelhantes em São Paulo, Santiago do Chile, Barcelona, Buenos Aires, entre outros.

Desde 1994, Tunick realizou cerca de 65 nus coletivos em espaços públicos, que documenta em fotografias e vídeos, em diferentes cidades do mundo e foi preso em cinco dessas ocasiões.

Fonte: ANSA