A arquidiocese do Rio ainda deve R$ 45 milhões para fornecedores do evento que trouxe o papa Francisco, mesmo depois da venda de um prédio por R$ 46 milhões.

Mesmo após vender por R$ 46 milhões um prédio em São Cristóvão, na zona norte, para a Rede D’Or de hospitais, a arquidiocese do Rio ainda deve R$ 45 milhões para fornecedores que trabalharam na organização da Jornada Mundial da Juventude.

A informação foi dada ontem por dom Paulo Cezar Costa, vice-presidente do comitê organizador da Jornada.

Antes do início do evento, realizado de 23 a 28 de julho com a participação do papa Francisco, os organizadores estimaram que o custo poderia chegar a R$ 350 milhões.

Desse total, pouco mais de R$ 100 milhões viriam dos governos federal, estadual e municipal.

Segundo dom Paulo Cezar, foram arrecadados pouco mais de R$ 100 milhões com as inscrições de 427 mil peregrinos, que pagaram de R$ 100 a R$ 600 por pacotes que incluíam alimentação, transporte e hospedagem.

Houve ainda doações e venda de cotas de patrocínio durante a Jornada. Somando toda a arrecadação, ainda restou um débito de cerca de R$ 90 milhões.

Desde o fim da Jornada, o arcebispo do Rio, dom Orani Tempesta, vem procurando empresários para conversar, em busca de uma solução para a dívida.

Uma alternativa foi a venda de parte do patrimônio da igreja. O primeiro imóvel a ser passado adiante foi o prédio onde desde 2001 funciona o hospital Quinta D’Or, que pertencia a uma entidade ligada à igreja, e estava alugado à Rede D’Or desde a inauguração do hospital.

[b]Fonte: Folha.com
[/b]
Notícia relacionada: [url=https://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=26572]Igreja Católica vende prédio para pagar dívida de evento com papa[/url]