Líderes da Igreja Católica expressaram preocupação nesta quarta-feira com a militarização na sociedade venezuelana e o que definiram como a perseguição de oponentes pelo regime do presidente Hugo Chávez.

“A Venezuela presencia com assombro e desaprovação a promoção de um ambiente belicista e a militarização de nossa sociedade, incluindo a criação de milícias civis”, disse o bispo Ovidio Perez. A afirmação é parte de um documento que assinala as preocupações da Conferência dos Bispos Venezuelanos, realizada nesta quarta-feira.

A Conferência dos bispos também condenou a “suposta perseguição e discriminação por discrepâncias ideológicas”, incluindo a prisão de oponentes por “atividades ligadas a suas posições políticas”.

Chávez constantemente pede aos venezuelanos que se preparem para uma possível invasão americana e armou grupo civis que são treinados por conselheiros militares para um batalha de guerrilha.

Críticos argumentam que a meta real das milícias, que agregam centenas de partidários de Chávez, é criar meios de sufocar dissidente internos.

O presidente venezuelano e a Igreja Católica do país têm um relacionamento abalado. O líder de esquerda diz que quer ter boas relações com os líderes católicos, que definiram sua liderança no passado como um “tumor”.

Fonte: Estadão