A Igreja Católica excomungou vários membros da “Comunidade da Senhora de todos os Povos”, mais conhecida como “Exército de Maria” – um grupo considerado responsável por um cisma religioso, com sede em Quebec, anunciou nesta quinta-feira a Conferência de Bispos do Canadá.

O arcebispo de Quebec há havia revogado em 1987 o estatuto de “pia união” concedido ao grupo, fundado em 1971 por uma mulher, Marie-Paule Giguère, de 86 anos, que dizia ser a reencarnação da Virgem Maria.

A declaração de excomunhão abrange todas as pessoas que participaram no dia 3 de junho em Quebec da ordenação “inválida” de seis padres, indicaram os bispos canadenses em comunicado.

Estes haviam sido ordenados por um outro padre, Jean-Pierre Mastropietro, e não por um bispo, como prevê o direito canônico.

Todas as pessoas “que agiram de forma a criar um ato de cisma ao participar das ordenações receberam excomunhão automática (latae sententiae) – a pena mais severa prevista pela Igreja Católica, precisaram os bispos canadenses.

A decisão foi assinada no dia 11 de julho pelo prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal William Levada, tendo recebido a aprovação do Papa Bento XVI.

A declaração da Igreja reafirma “com clareza e firmeza que a doutrina desenvolvida “pelo Exército de Maria “é herética. Quem quer que tenha, intencionalmente e deliberadamente aderido a essa doutrina incorre na excomunhão por heresia”.

O grupo também está presente na França, nos Estados-Unidos, na Áustria, na Jamaica e na Itália, segundo o jornal The National Post.

Fonte: AFP