A Igreja Católica na Índia pede cooperação entre as forças sociais do país para enfrentar com eficácia o drama dos milhares suicídios a cada ano.

No domingo, a Conferência dos Bispos Católicos da Índia (CBCI) difundiu em seu site uma nota por ocasião da declaração de 10 de setembro como ”Jornada de prevenção do suicídio”. ”Ironicamente, a taxa de suicídios está aumentando de forma alarmante na Índia”, adverte.

Podem estar relacionados com o estresse das provas — causa apontada pela polícia e outros agentes sociais –, mas «a pobreza, a ameaça do dote e o endividamento causam uma enorme quantidade de vítimas também», sublinha o organismo eclesial.

Neste sentido, recorda os recentes suicídios massivos de fazendeiros em Vidarbha — Estado de Maharashtra — e no Estado de Kerala.

Mais aguda é a ameaça de suicídios nos Estados meridionais. De acordo com a CBCI, cerca de 50 mil pessoas de Kerala, Karnataka, Tamil Nadu e Andhra Pradesh, e do Território da União de Pondicherry, põem fim às suas vidas anualmente.

Encabeça esta dramática lista o Estado de Kerala, o de maior índice de alfabetização: lá, cerca de trinta pessoas se suicidam cada dia.

”O governo central, por sua parte, anunciou um pacote de ajuda especial para os fazendeiros, mas estes sentem que o respaldo está só sobre o papel e que pouco se pode fazer para ajudá-los; enquanto isso, a maioria dos bancos deixaram de dar empréstimos aos fazendeiros”, um recurso sem o qual ”não podem cultivar suas terras”, descreve a CBCI.

Desta forma, aponta o resultado de uma pesquisa recentemente realizada por uma ONG com sede em Tamil Nadu: mais de 100 mil pessoas se suicidam na Índia cada ano. E só em Chennai — capital do citado Estado indiano — os números aumentaram drasticamente: de 1.196 suicídios no ano 2004 a 2.275 em 2005.

”A necessidade do momento — afirma a CBCI — é um esforço de cooperação por parte das instituições religiosas, organizações de voluntários e autoridades governamentais para manter esta crescente ameaça na linha.”

Fonte: Arquidiocese de Palmas