A Conferência do Episcopado Mexicano pediu perdão, esta terça-feira, pelos abusos sexuais de sacerdotes contra crianças e jovens, entre eles os cometidos por Marcial Maciel, fundador dos Legionários de Cristo e que, em março, foram admitidos por esta congregação.

“Queremos pedir perdão àqueles que foram vítimas de sacerdotes desonestos, que com suas ações abomináveis causaram danos a crianças inocentes, traindo o seu ministério, sujando e manchando a figura sacerdotal”, destacou a conferência em um comunicado.

No pronunciamento, emitido na assembleiaa anual que reúne a cúpula da hierarquia católica mexicana, os bispos e arcebispos se comprometeram a permitir que “autoridades civis intervenham e façam cumprir a lei” em casos atuais e do passado.

A Igreja mexicana defendeu, ainda, o papa Bento XVI pela “valentia com que se expressou” sobre a pedofilia e, em especial, por sua atuação nas denúncias contra sacerdotes católicos envolvidos neste crime em várias partes do mundo.

“São muitos os ataques que se tornam virulentos e injustos” contra o Papa, destacaram.

A ultraconservadora ordem dos Legionários de Cristo já havia pedido, em março, perdão às vítimas do padre Maciel, falecido em 2008 aos 87 anos, e admitiu que o padre teve filhos.

Os legionários, detendores de grandes recursos econômicos, reconheceram os abusos cometidos por Maciel, denunciados por suas vítimas desde 1997.

O Vaticano abriu uma investigação em 2004 e, posteriormente obrigou Maciel a se retirar e levar uma vida de “oração e penitência”, embora neste momento não tenha admitido seus abusos sexuais contra menores.

A ordem, presente em 22 países, tem 800 sacerdotes e 70.000 seguidores, a maioria de alto poder econômico.

Fonte: AFP