O presidente da Conferência Episcopal Paraguaia, monsenhor Ignacio Gogorza, afirmou que os religiosos católicos se sentem “ofendidos” com o que chamou de freqüentes “ataques” verbais do presidente, Nicanor Duarte Frutos.

Em seus discursos políticos visando as eleições internas coloradas e presidenciais de abril de 2008, Duarte Frutos alertou seus seguidores para que tenham cuidado “com os que usam batina”.

“Um deles já fraudou”, disse em alusão a um sacerdote envolvido em suposta má-gestão de fundos e “outro quer ser presidente”, acrescentou em referência ao ex-bispo Fernando Lugo, favorito nas pesquisas de opinião.

Em outro discurso, Duarte Frutos se queixou dos sacerdotes porque “usam saiotes e não sabemos para que lado vão”, em alusão a suas preferências sexuais.

“É muito injusta a declaração ou acusação que faz o presidente e nos sentimos ofendidos”, disse o bispo Gogorza. Gogorza anunciou que a Conferência Episcopal analisará o caso em 15 dias, que deve se pronunciar a respeito.

O arcebispo de Assunção, monsenhor Pastor Cuquejo, afirmou por sua vez que os ataque de Duarte Frutos contra a igreja católica nunca pararam.

“São uma lástima”, afirmou aludindo aos discursos do presidente e acrescentou que “são muito repetitivos”.

O presidente paraguaio, de origem católica, entrou para o culto de origem menonita que sua esposa Gloria Penayo segue, praticando na igreja Raíces, a qual aderiram também funcionários de seu governo.

O ministro de Obras Públicas e próximo do presidente, Rogelio Benítez, afirmou que Duarte Frutos não ataca a igreja católica, mas sim se refere a casos que envolvem certos sacerdotes em particular. (ANSA)

Fonte: Ansa