O papa Bento 16 afirmou nesta terça-feira que a recente crise de abusos sexuais contra crianças por sacerdotes deve fazer com que a Igreja reconheça a terrível verdade –a maior ameaça à Igreja vem de seus próprios pecados.

Em alguns dos comentários mais abrangentes ao público desde que o escândalo de pedofilia estourou, há dois meses, Bento 16 disse aos jornalistas que a Igreja tem uma “necessidade muito profunda” de reconhecer que deve fazer penitência por seus pecados e aceitar a purificação.

“Hoje nós vemos de um modo verdadeiramente aterrador que a maior perseguição à Igreja não vem de inimigos externos, mas nasce do pecado dentro da Igreja”, disse ele a jornalistas no avião que o trouxe a Portugal, em resposta a uma pergunta sobre o escândalo de abuso sexual.

Nas últimas semanas, vários sacerdotes do Vaticano acusaram a imprensa de fazer uma campanha de difamação contra a Igreja. Um alto funcionário chegou a minimizar os relatos de encobrimento do abuso sexual por sacerdotes como “fofocas mesquinhas”.

No avião, papa disse ainda que a Igreja tem de pedir perdão às vítimas de abuso sexual, mas também reconheceu que o perdão “não pode ser um substituto para a justiça”.

O principal objetivo da visita de quatro dias do Papa a Portugal para visitar o santuário de Fátima, onde se diz que a Madonna apareceu a três crianças, por seis vezes, em 1917.

A Igreja Católica enfrenta uma de suas maiores crises devido os acobertamentos de abusos sexuais de crianças por parte de padres. O escândalo atinge até mesmo o próprio papa Bento 16, acusado de acobertar padres pedófilos na época em que foi arcebispo de Munique, entre 1977 e 1981.

Grupos de vítimas pedem ainda informações sobre as decisões tomadas pelo papa na época em que dirigiu o departamento doutrinal do Vaticano, entre 1981 e 2005.

Desde o estouro da crise em vários países, Bento 16 apelou à penitência e prometeu que a Igreja iria tomar medidas para proteger as crianças e tornar padres abusadores perante a justiça.

No que diz respeito a purificação da igreja está em causa, Bento 16 já está limpando a casa, aceitando a renúncia de alguns bispos que acobertaram os crimes ou que admitiram ter abusado de jovens.

Apenas na semana passada, o papa tomou o controle da ordem conservadora Legionários de Cristo, depois de revelações de que seu fundador abusava sexualmente de jovens seminaristas.

Fonte: Folha Online