O núncio do Vaticano em Assunção, monsenhor Orlando Antonini, reiterou nesta segunda-feira a insatisfação da Igreja Católica com o abandono da vida clerical de Fernando Lugo, ex-bispo que foi eleito presidente do Paraguai em abril.

Antonini, que participou de uma missa em homenagem à Virgem de Caacupé, disse que a Igreja não mudou sua postura pelo fato de Lugo ter sido eleito e recebido um decreto do Vaticano que o destituiu de seus compromissos episcopais.

Para o núncio, quando um clérigo abandona o ministério por um cargo político, “é como se Cristo não fosse suficiente para a transformação do mundo, o que acaba sendo a idolatria da política”.

Antonini acrescentou que, após as eleições gerais de abril, a Igreja aceitou a vontade popular e, “pelo bem do povo e da paz social, o Papa regularizou a situação canônica de Lugo”.

Durante a homilia, alguns bispos presentes reclamaram ainda mais ações para solucionar os problemas do Paraguai e condenaram o que chamaram de “luta de classe”, referindo-se aos conflitos ocorridos no campo entre trabalhadores rurais sem-terra e produtores agrícolas. (ANSA)

Fonte: Ansa