O presidente do Episcopado colombiano, Dom Luis Augusto Castro Quiroga, arcebispo de Tunja, ressaltou a necessidade de insistir, o quanto antes, no estabelecimento de um acordo humanitário, a fim de que possam ser resgatadas as pessoas em mãos da guerrilha no país, sem colocar em risco a vida dos reféns.

O prelado se referia à decisão do governo, de querer proceder com o uso da força, na libertação de centenas de reféns atualmente nas mãos das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

“Não podemos ser cúmplices da morte dos reféns. A segurança deve basear-se nos princípios democráticos. O governo não pode colocar em risco a vida dos cidadãos” _ disse Dom Castro Quiroga, em Bogotá, na 82ª assembléia plenária anual dos bispos, reunidos até o dia 9 do corrente.

O prelado recordou o sofrimento das vítimas nas mãos das FARC, e afirmou a necessidade urgente de um consenso, que permita a libertação negociada de todos os prisioneiros.

Dom Castro Quiroga sublinhou ainda, que é preciso obter outros acordos para pôr fim aos seqüestros com finalidade de extorsão, e às agressões à sociedade civil através do deslocamento forçado das populações.

“Somente assim _ ressaltou o prelado _ pode-se abrir uma porta para o diálogo, a paz e a justiça social.”

Fonte: Rádio Vaticano