O governo da Malásia demoliu o prédio da igreja Orang Asli, no assentamento Gua Musang, em Ulu Kelantan, no dia 4 de junho, segundo o ministério Voz de Salém.

Notícias dão conta de que dois meses antes, a comunidade de Orang Asli havia se convertido ao cristianismo como resultado do trabalho do pastor Moses Soo.

Desde então eles passaram a precisar de um local de culto e consultaram o Comitê de Desenvolvimento e Segurança do vilarejo bem como o Departamento para Questões de Orang Asli para erguer uma igreja e marcar a sua fé.

“Foi concedida a autorização e a comunidade começou a construir a igreja com a ajuda de voluntários e doadores”, disse um representante da Voz de Salém.

No dia 11 de abril o escritório do distrito de Gua Musang cassou a licença, alegando que a construção tinha sido executada sem a permissão das autoridades, em terreno de terceiros.

No dia seguinte, o reverendo Wong Kim Kong, secretário-geral da Comunidade Evangélica Cristã da Malásia, enviou uma carta ao escritório informando que o terreno pertencia aos moradores de Orang Asli, de acordo com o artigo 2 6(1) e 7(1).

O reverendo enviou cópias da carta ao primeiro-ministro Abdullah Ahmad Badawi e para outras autoridades.

No dia 24 de maio um ofício assinado por Pedik Busu, líder do vilarejo, dizia que a estrutura era “ilegal” por não estar em terreno de sua propriedade e que deveria ser demolida.

Apesar de todos os esforços a igreja acabou sendo demolida no dia 4 de junho.

O pastor Moses Soo disse ao reverendo Paul Ciniraj, diretor da Voz de Salém, que a polícia o torturou por diversas vezes.

Segundo o pastor, o oficial da vila não tinha nenhum direito de destruir a igreja, porque o terreno foi doado para a sua construção.

Fonte: Portas Abertas