O presidente da Conferencia Episcopal chilena, monsenhor Alejandro Goic, assegurou que a Igreja Católica latino-americana tem que fazer “uma auto-critica muito sincera” e refletir sobre a formação dada aos católicos, especialmente aos que estão na vida pública, pois deveriam estar “à frente” da justiça social.

O religioso considerou ainda “válida e legítima” a presença da Teologia da Libertação, e negou que na Venezuela a Igreja esteja buscando ser oposição ao governo.

Em conversas com a ANSA, Goic recordou as palavras do Papa Bento XVI ao abrir a recente Conferencia Episcopal Latino-americana (Celam) em Aparecida, Brasil, onde falou das “injustiças no continente que clamam ao céu e, o doloroso para nos, é que trata-se de um continente majoritariamente católico.”

Ao seu ver, Aparecida desafiou os bispos a “educar o mundo que tem responsabilidades na condução das sociedades: empresários, políticos, dirigentes sindicais”.

Fonte: Rádio Vaticano