Um grupo de trabalho da Igreja da Inglaterra recomendou que os sacerdotes possam abençoar casamentos gays, embora a bença não signifique a aceitação legal do matrimônio.

O passo em direção a uma Igreja mais aberta foi moderadamente criticado por ir contra os ensinamentos da religião em relação à sexualidade.

A proposta estava entre 18 recomendações de um grupo de trabalho iniciado há dois anos para discutir a relação da religião com os fieis e clérigos homossexuais.

Em 2013, o Parlamento britânico aprovou o casamento de pessoas do mesmo sexo. A intenção da Igreja da Inglaterra era se preparar para as mudanças sociais em andamento.

– Você pode fazer a igreja um lugar frio para gays e lésbicas ou você pode fazer dela um lugar mais acolhedor – disse Joseph Philling, o líder do grupo de trabalho.

A comissão também sugeriu que a Igreja da Inglaterra deveria discutir a questão dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo com outras igrejas anglicanas.

Críticos dizem que a proposta de abençoar os casais gays vai contra os ensinamentos da Igreja, que entende que o sexo deve ser feito só dentro do casamento, uma relação que só existiria entre um homem e uma mulher.

O líder espiritual da Igreja da Inglaterra, o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, reinterou no começo deste ano sua oposição ao casamento gay. Ele reconheceu porém que há uma “revolução” no comportamento sexual e que a Igreja poderia ser vista como fora de passo com a opinião pública.

Os britânicos são cada vez mais tolerantes ao casamento de pessoas do mesmo sexo. Em 1990, 28% dos homens entre 16 e 44 anos eram tolerantes. Agora, 66% aceitam o casamento gay.

[b]Fonte: Yahoo[/b]