Paredes eram quebradas e pedras eram jogadas em capela de Itajaí, SC. Atitude atenuou ações, mas número de missas também foi reduzido.

Após atos de vandalismo, uma pequena igreja da área rural de Itajaí (SC) foi cercada com arame farpado e os portões foram fechados com cadeados. A capela, que foi construída há mais de 50 anos, fica no Bairro Itaipava, onde há pouca circulação de veículos e boa parte das casas não tem cerca ou muro.

A comunidade decidiu tomar uma atitude radical para acabar com a depredação da estrutura. “Quebravam a parede, jogavam pedra na parede, no telhado, quebravam o relógio, botavam lixo lá dentro”, afirma a moradora Benta Maria Nicolau. Não houve mais depredação, mas o número de missas diminuiu. Agora as missas são realizadas três vezes por mês e só nesses dias o portão é aberto.

Apesar de alguns moradores terem sido contra a colocação da cerca, a maioria aprovou a decisão do conselho da igreja. “Melhorou porque não estragaram mais. Não houve mais aqueles momentos cheios de jovens bebendo em frente à igreja”, contou o pedreiro Tirone Dias.

Os moradores não sabem quem praticava os atos de vandalismo. A Polícia Militar informou que o número de ocorrências em localidades do interior ainda é bem menor do que nos bairros mais próximos do Centro da cidade. Além disso, há uma viatura destinada à área rural e são feitas rondas nos locais mais afastados.

[b]Fonte: G1[/b]