Um filme sobre Santa Teresa de Jesus, dirigido pelo escritor e diretor espanhol Ray Loriga, que apresenta a relação da poeta com Cristo de um ponto de vista quase sensual, foi criticado pela Igreja, que considera que seu autor “não entendeu” a figura religiosa.

“A aproximação mística de Santa Teresa com a figura de Cristo como uma aproximação carnal chega ao limite do aceitável”, afirmou o diretor do Departamento de Cinema da Conferência Episcopal Espanhola, Juan Orellana, numa entrevista concedida à agência Europa Press.

“Teresa, o corpo de Cristo”, protagonizada pelas atrizes Paz Vega e Leonor Watling, conta a história de dona Teresa de Cepeda y Ahumada (1515-1582), que se transformaria na famosa mística Santa Teresa de Jesus.

O filme reflete a ambição de uma mulher que “resiste a aceitar seu papel de mulher num mundo de homens: não quer se limitar a ser esposa e mãe. Sente que precisa ser algo mais elevado. Quer escrever, quer ler, quer aprender”, explica um comunicado da produtora.

Descoberta a vocação, Teresa entra para um convento, onde acabará se decepcionando porque percebe que, dentro de seus muros, reina “o materialismo e a mesma frivolidade daqueles de quem ela estava fugindo”. Ela decide então “iniciar uma cruzada de oração e sacrifício que a transformam primeiro numa rebelde e numa louca, depois numa líder e, finalmente, numa santa”.

“O diretor tentou fazer uma aproximação com Santa Teresa de um ponto de vista feminista, como uma mulher à frente de seu tempo, mas não a partir da experiência cristã”, disse Orellana à Europa Press .

No entanto, Orellana considera que o filme “em nenhum momento é ofensivo” e que o cartaz do filme, que representa uma mão de Jesus Cristo, ferida, sobre o ombro nu da Santa, é “apenas uma provocação e não representa o tom geral” do filme.

O especialista em cinema da Conferência Episcopal também considerou que a atriz Paz Vega, que interpreta a Santa, “não sintoniza nem empatiza com a vida e o pensamento de Santa Teresa”.

Paz Vegak, ao contrário, considera que o segundo filme de Ray Loriga, que estréia no próximo 9 de março na Espanha, traz “um pouco de humanidade” a Santa Teresa de Jesus.

No colégio “você estuda a Teresa escritora e a poeta e, nos colégios religiosos, você estuda a Teresa fundadora. Mas não te ensinam nada sobre a Teresa mulher; a Teresa dentro de sua cela; a Teresa que sente; a Teresa com suas dúvidas, suas contradições. Esta é a Teresa que mostramos neste filme”, assegurou a atriz.

Fonte: AFP