Os organizadores da visita do Papa Bento XVI ao Brasil pretendem transformar em um marco histórico para os católicos a missa campal que será realizada no Aeroporto do Campo de Marte, na Zona Norte de São Paulo, na sexta-feira, 11 de maio.

Apesar de estar planejada para ocorrer na tarde de um dia de semana, esperam que 2 milhões de católicos disputem espaço na pista de pouso do aeroporto.

Na tarde da última sexta-feira (9), uma comissão do Vaticano visitou a base aérea e definiu detalhes de como será a celebração. Monsenhor Piero Marini, responsável pelo cerimonial do Papa, conheceu em uma sala da Superintendência da Infraero o projeto da construção do altar.

O desenho vencedor, que deve ser apresentado na próxima terça-feira (13) em cerimônia no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo na Zona Sul de São Paulo, foi escolhido entre cinco projetos feitos por arquitetos. Marini sugeriu poucas mudanças no desenho que foi apresentado em um telão.

O monsenhor pediu que fosse ampliada a cobertura para que todo altar esteja protegido de possíveis chuvas. Além disso, pediu para que o ambão, uma mesa na qual são feitas leituras durante a missa, fosse aproximado do público.

O projeto aprovado pelos organizadores da visita ainda previa dois telões no altar. Eles foram vetados pelo representante do Papa. Segundo Marini, os telões poderiam distrair os fiéis. Marini não fez restrições quanto aos planos de colocação de telões espalhados pela pista e gramados do aeroporto.

Estrutura

Ainda para atender toda a multidão, a Arquidiocese de São Paulo pensa em outros detalhes importantes dentro da liturgia. Foram encomendadas 500 âmbulas para a celebração. O utensílio, uma espécie de cálice com tampa, é utilizado para transportar as hóstias – pequenos pedaços de pão que são transformados durante a celebração no próprio corpo de Cristo. Para entregar as hóstias à multidão de fiéis, o administrador apostólico Dom Manuel Parrada Carral espera contar com a ajuda de aproximadamente 2 mil padres.

Durante a vistoria, Marini se mostrou preocupado com as instalações dedicadas aos religiosos que participam do evento. Um hangar e uma oficina do Parque de Material Aeronáutico serão transformados em espaços para que a comitiva do Papa, bispos e padres se preparem para a celebração. Marini visitou pessoalmente os espaços, fez comparações e se mostrou satisfeito com a escolha do aeroporto. “Aqui estamos no meio de São Paulo, vemos a cidade. Isto é muito importante”, disse Marini.

Em março, uma nova comissão do Vaticano voltará a São Paulo para conferir os últimos detalhes da preparação. Na reunião desta sexta-feira, já ficou definido que o palco será montado de costas para a Avenida Brás Leme, na Zona Norte. O acesso do público deve ocorrer pela Avenida Santos Dumont. O funcionamento do aeroporto vai ser interditado para que os católicos ocupem a pista e o gramado.

Enquanto visita São Paulo, o Papa ficará hospedado no Mosteiro de São Bento, no Centro da cidade. Assim como na capital, no interior os moradores já se preparam para sua chegada. Na Fazenda da Esperança, próxima a Guaratinguetá, a estimativa de custo com obras para receber Bento XVI é de R$ 2 milhões.

Fonte: G1