Milhares de fiéis foram à Trinity United Church of Christ (Igreja Unida da Trindade de Cristo, em tradução livre) para agradecer o pastor aposentado que se tornou uma figura chave na corrida pela nomeação presidencial democrata: o reverendo Jeremiah Wright, ex-guia espiritual do pré-candidato Barack Obama.

Wright (na foto à direita) esteve no centro da mídia após a divulgação por redes de televisão e pela internet de sermões nos quais denunciava os Estados Unidos por atos racistas e genocidas.

Neles, Wright afirma que os Estados Unidos são um país fundamentalmente racista e que os negros deveriam dizer “Deus amaldiçoe a América” em invés da tradicional fala nacionalista, “Deus abençoe a América’. Ele também afirmou que o governo dos EUA criou a Aids para destruir “as pessoas de cor”.

Em um discurso há duas semanas, Obama, membro da igreja de Wrigth, condenou ferozmente os comentários do reverendo. Mas ele não deixou a igreja e nem criticou o pastor, quem afirmou ser como um membro de sua família.

O discurso foi a maneira encontrada pela equipe de campanha de Obama de encerrar a polêmica que poderia ser perigosa para o senador, que pede desde o início de sua candidatura para que os eleitores transcendam as questões raciais.

Ao invés disso, Obama elogiou Wright, dizendo que 30 anos à serviço da igreja não poderiam ser destruídos por 30 segundos de comentários infelizes que “foram gravados e reproduzidos de novo e de novo”.

Nesta segunda-feira (31) Wayne Watson, chanceler de Universidades de Chicago, afirmou que considera Wright um de seus heróis.

“Você lutou a luta. Você é um homem dos homens. Você manteve independência da elite e dos políticos”, afirmou Watson. “Eu acredito que você é nosso próprio homem. Você é nosso homem. Você é um homem de Deus”.

O reverendo Otis Moss 3º, filho de um ex-assessor de Martin Luther King Jr. e o novo pastor da Igreja da Trindade, afirmou que a congregação deveria “mostrar que a família de Wright é a família certa”.

Wright, que se aposenta oficialmente no dia 31 de maio e permanece como um pastor sênior da Igreja de Chicago, não falou durante a homenagem de duas horas.

O reverendo não se pronuncia publicamente desde o início do controverso episódio dos sermões. Ele recentemente desmarcou planos de pregar em igrejas em Houston e na Flórida, e recusou receber um prêmio no Texas.

Ataques

As polêmicas declarações de Jeremiah Wright foram aproveitadas pelo comitê da também pré-candidata democrata Hillary Clinton para criticar Obama na última quinta-feira (27).

“Não temos opções quando se trata de nossa família, mas temos quando se trata do pastor e da igreja que freqüentamos”, afirmou Hillary, dizendo que sairia da igreja caso algum episódio parecido ocorresse.

Obama retrucou, e disse que teria saído da sua igreja em Chicago caso o ex-pastor continuasse pregando.

“Se o reverendo não tivesse se aposentado, e se ele não soubesse que o que falou ofendeu profundamente as pessoas, foi inapropriado e distorceu o que eu acredito que seja a grandeza deste país, por todas estas falhas, eu não me sentiria confortável ficando na igreja”, afirmou o senador democrata.

Fonte: Folha Online