O padre Telmo José do Amaral Figueiredo foi absolvido pelo Tribunal Eclesiástico da acusação de violar segredo de confissão. A Diocese de Rio Preto abriu inquérito após denúncia de dois fiéis da Paróquia Divino Espírito Santo, no Solo Sagrado, em 2004.

Condenado em primeira instância, o padre foi afastado das funções na diocese em 2006, pelo bispo da cidade, dom Paulo Mendes Peixoto. Segundo nota divulgada na época, o objetivo foi evitar desgaste da imagem de padre Telmo.

“É dever da Igreja Católica defender os direitos dos fiéis que se sintam lesados. Mas há o perigo de condenar alguém sem motivos”, afirmou dom Paulo.

Em segunda e terceira instâncias, o acusado foi inocentado. Já na primeira vez em que a acusação foi considerada improcedente, padre Telmo retornou às funções, mas não na paróquia do Solo Sagrado.

Apesar de inocentado, o padre atendeu pedido de dom Paulo para retornar à Diocese de Jales, a de origem de padre Telmo. “Torci por ele, mas pedi que não voltasse para evitar desgaste.”

No entanto, o sacerdote deve tentar transferência para diocese próxima da Capital. Padre Telmo cursa doutorado na USP e pretende encerrar os estudos.

Fonte: Jornal Bom Dia Rio Preto