Igreja Luterana
Igreja Luterana

A Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB) divulgou uma nota oficial se posicionando sobre a reportagem “Herdeira da Reforma Protestante, Igreja Luterana na Alemanha ordena mulheres e abre caminho para casamento gay”, publicado pela BBC Brasil, e pelo jornal Folha de S. Paulo.

No comunicado, a IELB afirma que não compartilha da posição do Luteranismo Alemão, sobre a ordenação de mulheres e a união homoafetiva, mas respeita o direito individual de cada um.

“Ainda no espírito pacífico de informar a quem interessar possa, nossa denominação não ordena mulheres por entender que essa é a ordem de Deus, mas respeita quem pensa e interpreta diferentemente”, diz trecho do comunicado.

Ainda sobre o reconhecimento da união de casais homossexuais, a IELB diz que, com base nos ensinamentos da Bíblia, aceitam em sua Igreja somente o casamento entre homens e mulheres.

“Sobre a união de pessoas do mesmo sexo, as assim chamadas ‘uniões homoafetivas’, informamos que nossa igreja respeita o direito individual das pessoas, que é garantido pela Constituição Federal do Brasil. Entretanto, seguindo o que Deus nos diz na Bíblia, afirmamos que o casamento que agrada a Deus é entre um homem e uma mulher”, afirma o texto.

A Igreja Evangélica Luterana do Brasil ressalta também que, apesar das discordâncias, todos são amados, independentemente de suas condições e orientações.

Leia a nota de esclarecimento na íntegra:

Devido a inúmeros questionamentos e reações a respeito da matéria publicada na seção “BBC Brasil” do site Folha de São Paulo, em 07.10.2017, intitulada “Herdeira da Reforma Protestante, Igreja Luterana na Alemanha ordena mulheres e abre caminho para casamento gay”, esclarecemos: Herdeiras da Reforma, na verdade, são todas as igrejas cristãs que seguem os ensinamentos bíblicos defendidos pelo Dr. Martinho Lutero, expressos nas Confissões Luteranas reunidas no Livro de Concórdia de 1580. Tais ensinamentos e confissão estão firmados e fundamentados nos seguintes pilares:
a) SOLA SCRIPTURA: somente a Escritura, isso é, a Bíblia é a Palavra inspirada de Deus. Ela é a única
base e fundamento de toda a doutrina e ensinamento da Igreja;
b) SOLA GRATIA: somente pela graça o ser humano é salvo por Deus de sua condição de pecador
perdido e condenado eternamente;
c) SOLA FIDE: somente pela fé em Jesus o ser humano recebe essa graça e é aceito por Deus.

Ainda no espírito pacífico de informar a quem interessar possa, nossa denominação não ordena mulheres por entender que essa é a ordem de Deus, mas respeita quem pensa e interpreta diferentemente.
Sobre a união de pessoas do mesmo sexo, as assim chamadas “uniões homoafetivas”, informamos que nossa igreja respeita o direito individual das pessoas, que é garantido pela Constituição Federal do Brasil. Entretanto, seguindo o que Deus nos diz na Bíblia, afirmamos que o casamento que agrada a Deus é entre um homem e uma mulher. O próprio Jesus Cristo, citando o livro de Gênesis, atesta que, desde o princípio, Deus os fez homem e mulher e que o homem deixa pai e mãe e une-se em uma só carne com sua mulher (Mateus 19. 4 e 5). Por isso, baseados nesta e em muitas outras passagens (1ª Coríntios 6.9; Romanos 1.26 e 27, etc.), aceitamos em nossa denominação apenas o casamento entre homem e mulher, não se tratando de um tabu, de conservadorismo nem tampouco de preconceito, mas fidelidade à Palavra revelada de Deus. Respeitamos quem pensa diferente, mas também exigimos respeito para com nosso posicionamento.

Não obstante, ressaltamos que amamos a todas as pessoas, independentemente de cor, etnia, religião, sexo, orientação sexual ou condição social. Tampouco nos julgamos melhores por sermos cristãos. Apenas que a graça de Jesus nos alcançou mediante a fé, somos salvos sem méritos de nossa parte. E essa salvação é oferecida a todos os seres humanos da Terra. Afinal, todos pecamos e carecemos da glória de Deus (Romanos 3.23).

Rogamos a Deus que continue fazendo sua Igreja permanecer firme e fiel aos “Solas”, que nada mais são do que expressões do grande tesouro que Deus legou à sua amada Igreja, a saber, o santíssimo Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo (Tese 62 das 95 afixadas por Lutero à porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, Alemanha, em 31.10.1517).

Fonte: Pleno News