O governo decidiu dissolver uma igreja metodista na Rússia por causa da escola dominical que atendia quatro crianças, na cidade ocidental de Smolensk. O Tribunal Regional proferiu a decisão no dia 24 março, segundo o pastor da Igreja Metodista Unida, Aleksandr Vtorov.

O tribunal concordou com a denúncia da polícia regional para o crime organizado, entendendo que os metodistas estavam quebrando a lei ao administrar uma “atividade educacional em uma escola dominical sem uma licença correspondente.”

“Todo aluno tem o próprio arquivo, mantido nos locais da igreja, contendo material de estudo e documentos que atestam os resultados de assimilação de conhecimento religioso recebidos em lições”, declarou a promotoria pública em sua suposta evidência contra os metodistas.

A investigação na congregação começou depois de uma reclamação do bispo ortodoxo russo lgnati Punin.

Inicialmente a denúncia fora feita contra uma faculdade missionária, mas depois passou para a escola dominical.

Escola dominical

Vladimir Ryakhovsky, do Centro Eslavo para Lei e Justiça, baseado em Moscou, teme que a liquidação da congregação metodista aumente a ameaça à educação religiosa na Rússia.

“Quase todas as organizações religiosas têm uma escola dominical”, contou ele ao Forum 18. “Eu não conheço uma que tenha uma licença de educação separada. Eles pretendem liqüidar tudo?”

Em outros lugares da Rússia, a educação religiosa, sem licença, para adultos já culminou com invasões e fechamentos forçados a igrejas.

Para surpresa adicional, o caso contra a igreja mudou abruptamente de foco. Inicialmente era contra os planos de instalação de uma faculdade missionária e em seguida foi mudado para a pequena escola dominical que já está em funcionamento.

Enquanto a ação estatal súbita chocou a congregação de 36 anos de existência, o pastor Vtorov permanece firme. “Nós somos metodistas, não queremos e não nos tornaremos ortodoxos, não importa quão duro eles tentem nos assustar”, disse o pastor.

Fonte: Portas Abertas