Mesmo com determinação judicial que proibia a realização de uma vigília no templo sede da Igreja Mundial do Poder de Deus, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

O apóstolo Valdemiro Santiago realizou na noite de sexta-feira (13), que segundo a imprensa causou congestionamento desde as 20 horas na pista expressa (única existente no trecho) sentido Rio da Rodovia Presidente Dutra.

A Justiça paulista proibiu a vigília marcada para começar às 23 horas desta sexta-feira e estipulou multa de R$ 100 mil caso o evento ocorresse. A Igreja Mundial do Poder de Deus alega não ter recebido a notificação.

Segundo a concessinária NovaDutra, as filas de carros parados na Via Dutra chegaram a 5 quilômetros às 22h15, entre os quilômetros 219, onde há o acesso à Avenida Monteiro Lobato, e 224. O tráfego só foi normalizado às 23h30, em razão do horário, quando automaticamente diminui a quantidade de veículos que passam pela região.

A vigília terminou por volta das 4h30 deste sábado, 14, horário em que os primeiros ônibus com os fiéis começaram a deixar o local. A expectativa era de que o trânsito travasse novamente, mas no sentido São Paulo, pois boa parte dos coletivos fretados voltou para a capital paulista e pegou retorno no quilômetro 222, onde a pista expressa passa por obras de ampliação.

Nenhum representante da religião foi localizado para comentar o não cumprimento da decisão judicial, motivada por uma ação popular devido aos transtornos provocados na Dutra na inauguração do templo, em 1º de janeiro, quando a rodovia ficou paralisada por seis horas, comprometendo o acesso ao aeroporto de Cumbica.

A proibição da realização do megaevento foi requerida à Justiça pelo vereador Geraldo Celestino (PSDB) e concedida pelo juiz Rafael Tocantins Maltez. O magistrado estipulou ainda multa de R$ 100 mil à igreja em caso de desrespeito à sua decisão.

[b]ESTACIONAMENTO[/b]

Para tentar reduzir os efeitos do evento, a Prefeitura de Guarulhos informou mais cedo que iria disponibilizar cerca de mil vagas de estacionamento para ônibus fretados.

O plano, que inclui ainda 3.100 vagas para carros, foi apresentado na quarta-feira (11) durante uma reunião de administração com representantes da igreja, polícias rodoviárias Estadual e Federal, Infraero (estatal que administra o aeroporto), Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar.

No dia 1º, ônibus com fiéis estacionaram no acostamento da rodovia, prejudicando o tráfego e a segurança dos motoristas e pedestres.
Na quarta, o Ministério Público instaurou um inquérito civil para apurar as responsabilidades pelo congestionamento.

Após pedido da Polícia Rodoviária Federal, a Promotoria ainda recomendou à Justiça a interdição do templo.

[b]Fonte: O Verbo e Folha.com[/b]